Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Colômbia deve deixar a Unasul nos próximos seis meses - Jornal Brasil em Folhas
Colômbia deve deixar a Unasul nos próximos seis meses


O presidente da Colômbia, Iván Duque, anunciou que, em seis meses, o país deixará de ser membro da União de Nações Sul-Americanas (Unasul). Ele justificou a saída afirmando que o bloco é cúmplice de um governo ditatorial na Venezuela.

Quero informar aos colombianos que no dia de hoje, por instruções precisas, o chanceler da República enviou à Unasul a carta em que denunciamos o tratado constitutivo dessa entidade e em seis meses se fará efetiva a retirada da Colômbia dessa organização, afirmou Duque em uma declaração oficial feita para a televisão.

O presidente colombiano acusa a Unasul de ter sido conivente com um regime ditatorial na Venezuela. Durante vários anos denunciei publicamente que a Colômbia não deveria seguir sendo parte da Unasul, porque a Unasul é uma instituição que agiu com silêncio e muitas vezes com complacência para que não se denunciassem os tratamentos brutais da ditadura da Venezuela, disse.

Hoje (30) o vice-chanceler uruguaio, Ariel Bergamino, afirmou que a saída da Colômbia é um reflexo de que a América Latina não passa por um bom momento no que diz respeito à integração regional.

A Unasul é uma organização regional intergovernamental composta por 12 países sul-americanos. A organização abrange um universo de mais de 400 milhões de habitantes, representando 68% da população da América Latina. Atualmente, a presidência pro tempore é exercida pela Bolívia.

Em abril deste ano, no entanto, o Brasil e mais cinco países suspenderam sua participação no bloco. Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai e Peru enviaram carta à presidência pro tempore do bloco anunciando, por tempo indeterminado, a suspensão da participação nas reuniões.

A iniciativa, segundo o documento, foi motivada pelo impasse com o governo da Venezuela em relação à escolha do secretário-geral da organização. Na carta, os chanceleres alegam que a Unasul está paralisada desde janeiro de 2017 porque a Venezuela, com o apoio da Bolívia, do Suriname e do Equador, vetou o candidato argentino ao posto de secretário-geral e não propôs um nome alternativo, deixando a organização sem liderança.

A Unasul foi criada em 23 de maio de 2008 como espaço de coordenação para construir uma identidade e cidadania sul-americana, além de reforçar a presença do bloco na arena internacional. Entre os objetivos do bloco estão o fortalecimento do diálogo entre os Estados-Membros, a cooperação na erradicação da pobreza e do analfabetismo; o acesso universal à educação de qualidade; o desenvolvimento sustentável; a integração financeira e a proteção da biodiversidade, entre outros.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212