Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Acordo comercial entre EUA e México pode afetar Brasil, avalia AEB - Jornal Brasil em Folhas
Acordo comercial entre EUA e México pode afetar Brasil, avalia AEB


A renegociação do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês) pode afetar negativamente as exportações brasileiras para o México, assim como modificar as condições do acordo bilateral que estava sendo rediscutido entre o país e o Brasil. A avaliação é do presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.

De acordo com o dirigente, o acordo pode atingir, principalmente, a indústria automotiva brasileira e de insumos para o setor, já que o México teria que produzir mais localmente e priorizar o comércio com os Estados Unidos. Cerca de 20% do que o Brasil exporta para o país é nesse setor, entre motores, partes e peças.

O tema foi lançado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que anunciou no início da semana que as negociações para o Nafta estavam sendo conduzidas entre seu país e o México, e que o Canadá pode se juntar posteriormente.

Manufaturados x commodities

Segundo Castro, a participação do México nas exportações totais do Brasil é pequena, de 1,8%. “Mas é um mercado de manufaturados. O problema do Brasil é que temos mercado à vontade para commodities [produtos primários de exportação], mas não tem mercado de manufaturados. Então, temos que fazer de tudo para preservá-los”, explicou.

Até julho deste ano, o total das vendas brasileiras ao exterior chegou a US$ 136,5 bilhões. As vendas de produtos primários subiram 10,6% em relação ao mesmo período de 2017, as de produtos manufaturados aumentaram 6,6%, enquanto as exportações de bens semimanufaturados acumulam queda de 1,4% no ano.
Acordo com México

Além dos prejuízos causados pelo acordo Estados Unidos-México, o Brasil deverá rediscutir o seu próprio acordo com o México, que previa mais abertura de mercado no setor automotivo. “Esse acordo deverá ser rediscutido sob outra ótica, porque não basta querer abrir o mercado, agora há outras condições influenciando”, disse Castro.

O novo acordo para o Nafta ainda será submetido ao congresso dos dois países e a decisão deve sair em cerca de 90 dias. Entre as medidas estão a elevação do conteúdo regional mínimo, de 62,5% para 75%, para a venda de automóveis sem tarifas, e a obrigatoriedade que alguns insumos de aço e alumínio para a indústria automotiva sejam comprados de países da América do Norte.

“Nesse momento, temos apenas que acompanhar. Tudo que está sendo discutido com Estados Unidos e México deverá ser ratificado, mas o próprio Congresso em parte não concorda e pode promover alterações”, explicou Castro.

No último trimestre, o mercado mundial caiu 0,9%, de acordo com o presidente da AEB. “Protecionismo de mercado [como está sendo feito pelos Estados Unidos] significa redução do comércio exterior e menos demanda por insumos. Isso promove a queda na cotação das commodities, que é o grande carro-chefe do Brasil. Vamos ter um impacto negativo em 2018 e 2019 por conta disso”, explicou.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212