Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Despesas discricionárias terão redução de R$ 10,6 bilhões em 2019 - Jornal Brasil em Folhas
Despesas discricionárias terão redução de R$ 10,6 bilhões em 2019


O total disponível para despesas discricionárias (não obrigatórias) no Orçamento Geral da União de 2019 será de R$ 102,5 bilhões, uma redução de R$ 10,6 bilhões em relação aos números deste ano. Os números foram confirmados hoje (31) pela equipe econômica do governo durante a apresentação do Projeto de Lei Orçamentária do próximo ano.

Essas despesas são compostas principalmente por investimentos (obras e compras de equipamentos) e gastos como manutenção de prédios, aluguéis, contas de luz e combustível, o chamado custeio. O projeto segue agora para análise do Congresso Nacional.

Investimentos

A redução do volume de recursos de investimento será de 12% em relação a este ano, passando de R$ 31,1 bilhões para R$ 27,4 bilhões, valor que corresponde a 0,3% do Produto Interno Bruto (PIB, a soma de bens e serviços produzidos no país). O governo já havia reduzido os investimentos entre 2017 e 2018. No caso das despesas de custeio, o valor previsto para 2019 é R$ 75,1 bilhões, uma redução de 10% (R$ 6,8 bilhões) em relação a este ano.

De acordo com o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, a redução vai fazer com o que o Brasil retorne, em termos de despesas não obrigatórias, aos níveis de 2010.

Apesar dos cortes, Colnago garantiu que os recursos serão suficientes para garantir o funcionamento da máquina pública. Além disso, o aumento de capital das estatais, que passará de R$ 4,7 bilhões para R$ 10,1 bilhões no ano que vem, também pode ser considerado investimento, acrescentou. Aquilo que o governo repassa para as estatais [aumento de capital] é para fazer investimento, não é para custeio.

Teto de gastos

A redução dos recursos de investimento e para despesas discricionárias ocorre por causa da chamada regra do teto (Emenda Constitucional nº 95), que impõe limites sobre o crescimento dos gastos públicos, que não podem ultrapassar a variação da inflação de um ano para outro. A medida vigora pelos próximos 10 anos e pode ser prorrogada por mais uma década. Como o governo não tem como deixar de cumprir as despesas obrigatórias, como gastos com salários de servidores e pagamento de benefícios previdenciários, a pressão recai sobre os gastos que podem ser controlados.

Há uma perda crescente, dentro do orçamento, da possibilidade de fazer políticas sociais discricionárias. O governo está ficando cada vez mais engessado. É importante que medidas estruturantes sejam adotadas para que isso seja revertido, argumentou Colnago.

Ele também citou os recursos em emendas parlamentares impositivas, que serão de R$ 13,8 bilhões no ano que vem – um aumento de R$ 2 bilhões em relação a este ano –, como possibilidade de ampliar os investimentos.

O total de despesas sujeitas ao teto de gastos em 2019 será de R$ 1,407 trilhão, segundo o Projeto de Lei Orçamentária apresentado pela equipe econômica. O valor corresponde a um reajuste de 4,39% em relação ao limite deste ano (R$ 1,347 trilhão), que é a variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), entre julho de 2017 e julho de 2018.

Do montante de despesas primárias, o maior gasto no ano que vem continuará sendo o pagamento de benefícios previdenciários (R$ 637,8 bilhões), um acréscimo de R$ 43,7 bilhões no comparativo com 2018. Em seguida, aparecem os gastos com o pagamento de salários e encargos sociais do funcionalismo público, que vai consumir R$ 313,3 bilhões das receitas. Esse valor poderá ser reduzido em R$ 4,7 bilhões, caso o governo consiga aprovar a medida provisória que propõe o adiamento do reajuste do servidores civis. Sem a aprovação da MP, os gastos com salários subirão R$ 23,4 bilhões no ano que vem.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, voltou a defender a emenda do teto de gastos. Segundo Guardia, a medida foi um um enorme avanço, já que obriga o poder público a ser disciplinado na elaboração do orçamento. [Isso] nos obriga a olhar como nós estamos gastando nossas receitas.

Sem citar nomes, o ministro criticou propostas de candidatos à Presidência da República que prometem acabar com a regra do teto de gastos. Abrir mão do teto me parece uma estratégia extremamente arriscada.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212