Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Temer diz que apoiará transição para próximo governo - Jornal Brasil em Folhas
Temer diz que apoiará transição para próximo governo


O presidente Michel Temer disse neste domingo (2) que vai colaborar com o próximo governo eleito durante o período de transição e que será inevitável ao próximo presidente, seja ele quem for, promover uma reforma da Previdência. O presidente falou sobre os assuntos em entrevista ao programa Agora é Domingo, apresentado por José Luiz Datena na Rede Bandeirantes.

Segundo o presidente, o apoio na transição será dado independentemente do candidato que vencer as eleições de outubro. Não tenha dúvida, vou colocar todo o aparelho governamental para fazer transição, seja eleito quem for. Porque esta é a obrigação que a Constituição nos determina, afirmou.

Michel Temer também considerou inevitável que o próximo presidente tenha que fazer uma reforma da Previdência. Não há governo que chegue ao poder agora que não tenha que fazer a reforma, disse, complementando que, devido às eleições, o assunto saiu da pauta legislativa, mas não saiu da pauta política.

Ao ser perguntado sobre as denúncias contra seu governo feitas pelos empresários Joesley e Wesley Batista, Temer criticou os autores da acusação e disse que as gravações prejudicaram a aprovação de medidas econômicas importantes.

Os que me foram grampear foram presos. Foi uma trama bem urdida que acabou dando nisso: impediu a reforma da Previdência e a simplificação tributária, que eram os dois temas que completariam [a lista de reformas que o governo se propôs a fazer], disse. O presidente voltou a classificar as denúncias contra ele como pífias.

Por duas vezes na entrevista, o presidente disse que quer ser reconhecido pela história recente e comparado a outros governos como uma gestão reformista na área econômica. Saímos de uma recessão profunda. Quando cheguei ao governo, em maio de 2016, o PIB era de -0.59% [no mês]. Seis, sete meses depois, em dezembro, já caiu para -3.6% [acumulado do ano]. E em 2017, [o ano fechou] 1% positivo. Ou seja, avançamos sete pontos. Embora os jornais noticiem que o desemprego está em 12,3%, antes estava em 12,8%. Portanto está caindo, declarou, referindo-se ao dado mais recente da taxa de desemprego.

Ao ser questionado sobre a proposta de distribuir senhas para entrada de venezuelanos no país, Michel Temer afirmou que a limitação ocorreria para os estrangeiros que atravessam a fronteira apenas para comprar alimentos e remédios. Impedir o ingresso dos imigrantes, segundo ele, continua sendo algo incogitável e inegociável.

Quando nos reunimos com os ministros, concluímos que era preciso disciplinar um pouco a entrada: 60% praticamente voltam, o restante fica aqui. O recebimento da senha [seria porque] você não pode ter 800 entrando de uma vez, 1.000 entrando de uma vez. Então, vamos disciplinar. Entram 200, 300 cada vez. Essa é uma questão administrativa, foi questão minha. Jamais fecharemos a fronteira brasileira por causa de aspectos humanitários, disse.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212