Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estudo indica fraudes de R$ 27,8 bi contra planos de saúde em 2017 - Jornal Brasil em Folhas
Estudo indica fraudes de R$ 27,8 bi contra planos de saúde em 2017


Operadoras de planos de saúde podem ter pago, indevidamente, no ano passado, R$ 27,8 bilhões com despesas hospitalares e pedidos de exame cobrados por meio de fraudes e procedimentos desnecessários. O levantamento foi publicado no estudo “Impacto das fraudes e desperdícios sobre gastos da Saúde Suplementar”, realizado pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS).

O estudo mostra que, no ano passado, as fraudes e desperdícios representam 19% das despesas assistenciais dos planos de saúde com médicos e hospitais, que ficaram em R$ 145,4 bilhões. As estimativas do estudo mostram que, dessa porcentagem, entre 12% e 18% dos gastos indevidos caracterizam fraude no registro indevido de itens, e de 25% a 40% em pedidos de exames laboratoriais que não são necessários.

Base menor de beneficiários

O superintendente executivo do IESS, Luiz Carneiro, alerta ainda para o aumento no orçamento das despesas dos planos com os hospitais, uma vez que o levantamento aponta que o número de indivíduos beneficiados pela assistência privada diminuiu. “As despesas evoluíram de R$ 108 bilhões, em 2014, para R$ 145 bilhões em 2017. Diminui-se 5,8% do total de beneficiários, mas as despesas assistenciais apresentam um aumento de 34,4% no período”, afirma.

Carneiro afirma ainda que a pouca transparência entre os agentes do setor da saúde e a falta de indicadores de qualidade propiciam as práticas abusivas de fraudes e desvios no setor. Para ele, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) deveria regular não só operadoras de planos de saúde, mas todos os agentes envolvidos na cadeia de valor que prestam serviço para o setor, como a indústria farmacêutica e de equipamentos médicos.

“Países da Europa e os Estados Unidos têm regulações mais severas, por exemplo, dos pagamentos e benefícios entre agentes do setor de saúde e indústria de medicamentos e dispositivos médicos, por exemplo, sendo obrigatória a divulgação desses ganhos”, complementa.

* Estágiário sob a supervisão de Alexssander de Paula Soares

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212