Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Únicas peças do acervo índígena do Museu Nacional estão em Brasília - Jornal Brasil em Folhas
Únicas peças do acervo índígena do Museu Nacional estão em Brasília


As únicas peças que restaram de coleção do acervo antropológico do Museu Nacional do Rio de Janeiro estão em exposição, em Brasília, até o dia 16 de dezembro. A exposição Índios: Os Primeiros Brasileiros, em exibição no Memorial dos Povos Indígenas, reúne, segundo o curador da mostra João Pacheco, a única coleção restante do acervo antropológico de mais de 40 mil peças do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, consumido pelo incêndio de domingo passado (2). O incêndio destruiu a maior parte do seu acervo de 20 milhões de peças.

As peças não se perderam porque já estavam em exposição desde o dia 29 de agosto no Memorial dos Povos Indígenas. Entre os itens expostos, há uma série de imagens dos raríssimos Mantos Tupinambás e um conjunto de praiás (vestimentas rituais) do povo indígena Pankararu, maracás, arcos e flechas, cocares, todos de povos indígenas do Nordeste, como os Xucuru, Kiriri, Tupinambá e Fulniô.

O professor de antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e curador da exposição João Pacheco comemora a sorte em ter os objetos integrando uma mostra fora do Rio. “Se o material não estivesse nessa exposição, provavelmente teria sido destruído também com o restante da coleção. É o que resta de memória das atividades antropológicas do Museu Nacional, disse.

Pacheco disse que a coleção em exposição foi reunida por ele dentro de um projeto de pesquisa. “O aspecto muito triste é que essa é a única coleção que restou de todo o acervo do Museu Nacional. Todo material foi destruído, todo nosso acervo. Quarenta mil peças de todos os povos indígenas do Brasil, peças de mais de 100 anos, recolhidas por viajantes no tempo do Brasil Império, peças mais recentes, material do Brasil, África e Oceania. Material arqueológico muito precioso também foi perdido”, destacou.

Segundo o professor, algumas peças que não vieram para Brasília ficaram guardadas em um galpão anexo ao museu. “Essas peças também se salvaram”, disse.

Entre as peças em exposição, Pacheco destaca os praiás, que representam seres encantados para os índios Pankararu. “Os seres encantados ocupam essas regiões e vêm para participar das festas dos indígenas. São figuras referenciais para a vida dos Pankararu. Eles usam como usamos o crucifixo. É um elemento de proteção do corpo e da vida de cada um dos indígenas Pankararus”, explicou.

As imagens e documentos expostos permitem que o público viaje pela história do Brasil e dos povos indígenas. A maior parte do acervo traz registros sobre os povos da Região Nordeste e retrata a colonização, as narrativas indígenas e os desafios atuais.

A exposição já foi vista por um público estimado em mais de 230 mil visitantes de seis cidades: Recife, 2006 e 2007; Fortaleza, 2008; Rio de Janeiro, 2010; Córdoba-Argentina, 2013; Natal, 2014; e Salvador, 2016-2017.

Serviço:
Horários de visitação : aberto para visitação de 29 de agosto a 16 de dezembro, de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 17h. Sábados e domingos das 10h às 17h.
Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212