Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Em desfile no Rio, Marun comenta ataque a candidato e intervenção - Jornal Brasil em Folhas
Em desfile no Rio, Marun comenta ataque a candidato e intervenção


O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, espera que a recuperação do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, ocorra em tempo para ele retomar as atividades de campanha e para que o processo tenha um segmento normal. De acordo com ele, as informações até agora não indicam uma conspiração

“O que soubemos ontem foi a prisão do portador do punhal e de mais um que teria contribuído, não temos nada, pelo menos que eu saiba, que avance no sentido de uma conspiração. As investigações continuam. A Polícia Federal está presente. A verdade vai ser elucidada, mas não temos ainda motivos para pensar que isso foi uma conspiração”, disse após participar do desfile de 7 de setembro, em frente ao prédio do Comando Militar do Leste (CML), no centro do Rio de Janeiro.

Segundo o ministro, o Brasil tem uma tradição de eleições pacíficas e democráticas e isso tem que ser respeitado. Para ele, o ataque sofrido por Bolsonaro é uma situação que não pode ser aceita de forma alguma pela população. “Nesse momento em que essa tentativa de assassinato entristece a todos nós, o que pedimos é calma e o respeito a tradição pacífica e ordeira das nossas eleições e da nossa democracia”, afirmou.

Marun espera que o atentado sirva como um chamamento à sensatez, porque o país vive um momento de propagação do ódio. “Praticamente todos os setores envolvidos propagam o ódio, ódio, ódio. Esse ódio acaba empunhando facas e trazendo questões como essa. Todos nós temos que fazer uma reflexão”, afirmou.

Segurança dos candidatos

O ministro também comentou a questão da segurança dos candidatos à Presidência da República. “São momentos difíceis para que se faça a segurança, porque os candidatos querem o contato popular. Não dá para se fazer uma campanha com o mesmo nível de segurança que se tem aqui [se referindo ao local onde houve o desfile]. Então, quem está avaliando isso é a Polícia Federal”, indicou.

Sobre a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, Marun lamentou as mortes que vem ocorrendo, mas disse que o governo está no caminho certo. “O fato de haver baixas significativas nos dois lados torna mais evidente ainda a necessidade da intervenção. Nós estamos no caminho certo. O trabalho está sendo bem executado”, completou.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212