Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Em desfile no Rio, Marun comenta ataque a candidato e intervenção - Jornal Brasil em Folhas
Em desfile no Rio, Marun comenta ataque a candidato e intervenção


O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, espera que a recuperação do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, ocorra em tempo para ele retomar as atividades de campanha e para que o processo tenha um segmento normal. De acordo com ele, as informações até agora não indicam uma conspiração

“O que soubemos ontem foi a prisão do portador do punhal e de mais um que teria contribuído, não temos nada, pelo menos que eu saiba, que avance no sentido de uma conspiração. As investigações continuam. A Polícia Federal está presente. A verdade vai ser elucidada, mas não temos ainda motivos para pensar que isso foi uma conspiração”, disse após participar do desfile de 7 de setembro, em frente ao prédio do Comando Militar do Leste (CML), no centro do Rio de Janeiro.

Segundo o ministro, o Brasil tem uma tradição de eleições pacíficas e democráticas e isso tem que ser respeitado. Para ele, o ataque sofrido por Bolsonaro é uma situação que não pode ser aceita de forma alguma pela população. “Nesse momento em que essa tentativa de assassinato entristece a todos nós, o que pedimos é calma e o respeito a tradição pacífica e ordeira das nossas eleições e da nossa democracia”, afirmou.

Marun espera que o atentado sirva como um chamamento à sensatez, porque o país vive um momento de propagação do ódio. “Praticamente todos os setores envolvidos propagam o ódio, ódio, ódio. Esse ódio acaba empunhando facas e trazendo questões como essa. Todos nós temos que fazer uma reflexão”, afirmou.

Segurança dos candidatos

O ministro também comentou a questão da segurança dos candidatos à Presidência da República. “São momentos difíceis para que se faça a segurança, porque os candidatos querem o contato popular. Não dá para se fazer uma campanha com o mesmo nível de segurança que se tem aqui [se referindo ao local onde houve o desfile]. Então, quem está avaliando isso é a Polícia Federal”, indicou.

Sobre a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, Marun lamentou as mortes que vem ocorrendo, mas disse que o governo está no caminho certo. “O fato de haver baixas significativas nos dois lados torna mais evidente ainda a necessidade da intervenção. Nós estamos no caminho certo. O trabalho está sendo bem executado”, completou.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212