Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 MDB e governo vivem situação inédita na eleição em Goiás - Jornal Brasil em Folhas
MDB e governo vivem situação inédita na eleição em Goiás


Há um fenômeno na eleição deste ano na disputa pelo governo de Goiás, a julgar pelas pesquisas divulgas neste fim de semana, pela Consultoria Signates/Rádio Sagres 730 (aqui) e pelo Serpes/O Popular (aqui). Historicamente essas duas forças políticas tinham, juntas, mais de 50% dos votos nesta época de campanha. Neste 2018, essas forças só conseguiram abocanhar, até o momento, 19% dos votos dos goianos. Refiro-me ao MDB e a base aliada governista, que comanda o Estado desde 1998. O retorno aos números da pesquisa Serpes nas eleições anteriores ajuda a identificar esse fenômeno.

Em 2006, o então candidato Alcides Rodrigues, que disputava a reeleição para governador e representava a base aliada na eleição, tinha em setembro, 28,8% das intenções de votos. O ex-governador Maguito Vilela, representando o MDB, estava com 45,4%. Somavam 74% das intenções de voto de acordo com pesquisa Serpes/O Popular divulgada em 11 de setembro de 2006.

Em 2010 e em 2014, Iris Rezende e Marconi Perillo disputaram pelo MDB e pela base aliada. Na primeira eleição, Marconi chegou na pesquisa do mesmo instituto, divulgada em 28 de agosto, com 49,2% e Iris, com 33,1% (juntos 82,3%). Em 31 de agosto de 2014, Marconi estava com 39,2% e Iris, com 24,2% (somados, 63,4%). Nessas duas eleições, Vanderlan Cardoso, que disputou por um racha na base aliada, marcou 7,8% (28/08/10) e 8,7% (31/08/14).

O fenômeno deste ano é que José Éliton, com 10,9% e Daniel Vilela, com 8,6%, (soma de 19,5%) não conseguiram atrair até o momento os eleitores tradicionalmente fiéis ao governo e ao MDB (veja pesquisa na tabela acima). E onde estão seus eleitores? A julgar pelas pesquisas atuais, estão no não voto (aqueles que votam nulo, branco ou estão indecisos) ou com Ronaldo Caiado (DEM). Em 2010, nesta mesma época do ano, o não voto somava 9,4%. Em 2014, os eleitores do não voto eram 21,1% e agora chegam aos inéditos 32%.

A terceira via, uma alternativa entre as duas forças políticas majoritárias, nunca conseguiu sucesso eleitoral em Goiás. Ronaldo Caiado não é a terceira via, pois ele reúne partidos e lideranças que saíram dos dois lados. Mas o fato é que até o momento ele conseguiu tirar votos dos dois grupos hegemônicos. A desidratação dos governistas e dos emedebistas explicam, em parte, os atuais índices de Caiado, de 42,3% das intenções de voto. O restante está no não voto.

Caiado tem atualmente 62,1% dos votos válidos e poderia vencer no primeiro turno. Entretanto, não é possível cravar que ele manterá esse índice até o dia da eleição, pois boa parte dos eleitores só define mesmo em quem votará na última semana da campanha. Para mudar o fenômeno atual, os adversários de Caiado (que hoje somam apenas 25,8% dos votos válidos) têm de conquistar, ao menos, 12 pontos porcentuais nesta reta final da campanha.

Numericamente falando não é uma meta ousada. O problema é que as chamadas máquinas do governo e do MDB não se mobilizaram até o momento. Parte considerável dos emedebistas está reclusa (caso de Iris Rezende em Goiânia que praticamente não fez campanha para Daniel) ou aderiu a Caiado.

Já a máquina de governo movimenta-se com trabalho dos ocupantes de cargos comissionados, que parecem sem ânimo para defender José Éliton, ou com muito dinheiro na campanha, que escasseou nesta eleição em que é proibida a doação de empresas privadas e com limites de gastos na campanha definidos pela Justiça Eleitoral. Em resumo, o esforço político dos apoiadores de Éliton e de Daniel terá de ser bem maior ao que foi até o momento, para que tenham condições de bater a meta numérica para levar a eleição ao segundo turno.

Ninguém mais que o ex-governador Marconi Perillo simboliza a dificuldade da base aliada. Pelo seu nível de conhecimento, pelas realizações de seus quatro governos e por sua liderança política nestes 20 anos, ele devia despontar como candidato natural ao Senado em Goiás, como ocorreu em 2006. No entanto, disputa voto a voto com Jorge Kajuru (PRP) e a senadora Lúcia Vânia (PSB).

A pesquisa Serpes mostra Marconi líder na disputa pelo primeiro voto (23%), mas apenas em terceiro lugar pelo segundo voto, atrás de Lúcia (15,4%) e de Vanderlan Cardoso (11,9%). Marconi tem apenas 8,4% no segundo voto. Isso quer dizer que, a menos de um mês da eleição, não é possível cravar ele será um dos dois senadores eleitos. Marconi terá de trabalhar muito para ampliar sua votação no primeiro voto e, para usar o slogan da chapa governista, “avançar ainda mais” no segundo, para não correr o risco de viver a mesma experiência de Iris Rezende em 2002, que perdeu a eleição.

Cileide Alves
Jornalista
https://medium.com/@Cileidealves

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212