Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Empresas do PR são investigadas por suspeita de intermediar propina - Jornal Brasil em Folhas
Empresas do PR são investigadas por suspeita de intermediar propina


O Ministério Público Federal no Paraná (MPF), a Polícia Federal (PF) e a Receita Federal revelaram, hoje (11), que várias empresas com sede no Paraná estão sendo investigadas por suspeita de intermediar o pagamento de propina a agentes do governo paranaense que beneficiaram a Odebrecht na licitação que escolheu a empresa responsável por duplicar e explorar a rodovia estadual PR-323, obra orçada, no início de 2014, em R$ 7,2 bilhões.

“Há várias empresas sendo investigadas por movimentações financeiras significativas”, declarou a jornalistas o delegado federal regional de Combate ao Crime Organizado, Igor Mário de Paula. “Uma vez que houve pagamentos saindo [da Odebrecht], é necessário investigar se esses valores eventualmente ingressaram em algum grupo empresarial, qual a destinação dada a estas quantias”, acrescentou o delegado, referindo-se à forma como, segundo as investigações, operavam os suspeitos de participação no esquema de corrupção passiva, ativa, fraude à licitação e lavagem de dinheiro.

O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima fez questão de destacar que a Operação Piloto, deflagrada esta manhã como um desdobramento da Lava Jato, apura os crimes de corrupção e o enriquecimento ilícito de agentes públicos, e não o financiamento ilegal de campanhas eleitorais, a chamada Caixa 2.

“O que investigamos é como a política é financiada no Brasil através de benefícios dados [a empresários] em troca de doações eleitorais ou para o enriquecimento pessoal”, disse Lima, dizendo que os fatos que estão vindo à tona no Paraná se repetem por todo o país. “Não faz diferença entre governos federal, estadual ou municipal. Não podemos dizer que o Paraná é diferente do que já foi descoberto em todo o Brasil. Outras operações desenvolvidas pelo Ministério Público estadual demonstram que este tipo de esquema já existia no estado”, acrescentou o procurador.

No último dia 5, a força-tarefa Lava Jato do MPF no Paraná denunciou 11 pessoas acusadas de desviar dinheiro público da obra de duplicação da rodovia PR-323. Entre elas, o ex-governador Beto Richa (PSDB); seu ex-chefe de gabinete, Deonilson Roldo, e o empresário Jorge Theodócio Atherino, apontado como “operador financeiro” do esquema. Roldo e Atherino foram presos hoje, na Operação Piloto, porque, segundo o procurador da República, Diogo Castor de Mattos, “novas evidências demonstraram que os dois continuavam atuando em atividades suspeitas”. Richa também foi detido, mas em outra operação, a Radiopatrulha, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná (MP-PR).

Ainda segundo o delegado federal Igor Mário de Paula, as provas já colhidas, incluindo depoimento de colaboradores, apontam que ao menos R$ 3,5 milhões em propina foram entregues, em dinheiro vivo, em endereços indicados por Atherino, entre os meses de setembro e outubro de 2014. De acordo com o MPF, foram cinco entregas em um endereço de São Paulo ligado à sogra do empresário.

Quebra de sigilos

O auditor-fiscal Roberto Leonel Oliveira Lima confirmou a quebra dos sigilos fiscal e bancário de investigados e de empresas ligadas a eles. Segundo ele, já existem “indícios reais” de crescimento patrimonial injustificado e de movimentações financeiras incompatíveis, tanto de pessoas físicas, quanto jurídicas.

“A Receita Federal está acompanhando essas investigações. Algumas diligências fiscais estão em andamento, outras serão executadas após a análise dos documentos apreendidos hoje”, antecipou Lima, revelando que levantou suspeitas o fato de alguns dos investigados terem ligações com grandes empreendimentos imobiliários.

“Imóveis rurais eram adquiridos e imediatamente transformados em imóveis urbanos, por meio de decretos municipais [que alteravam à destinação de determinadas regiões]. E então era feito um loteamento habitacional ou então os imóveis eram transformados em industriais”, acrescentou Oliveira.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212