Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Analistas dizem que investigação de empresas impacta economia, mas é necessária - Jornal Brasil em Folhas
Analistas dizem que investigação de empresas impacta economia, mas é necessária


A confirmação de que a Odebrecht S/A está negociando acordos de leniência e delação premiada de seus executivos e funcionários com o Ministério Público Federal (MPF) é um dos fatos mais importantes da Operação Lava Jato, na avaliação de especialistas ouvidos pela Agência Brasil. Segundo os analistas, o envolvimento das maiores empreiteiras do país nas denúncias abala a economia, mas a investigação é necessária.

Para o secretário-geral e fundador da organização não governamental (ONG) Contas Abertas, Gil Castello Branco, as revelações resultantes da colaboração da Odebrecht tendem a ser “explosivas”. “A Odebrecht foi, durante alguns anos, a maior empresa do país em se considerando o Orçamento da União. É importante tanto pelo que realiza dentro como fora do Brasil.”

Na avaliação de Castello Branco, o retorno do país a um cenário político e econômico saudável passa pela punição “exemplar” das empresas cujo envolvimento em esquemas ilegais ficou comprovado. Segundo ele, é uma “falácia” responsabilizar a Operação Lava Jato pela paralisação da economia brasileira. “Diante de tudo que vimos acontecer, acho que essas empresas têm que ter uma punição rigorosa. É uma falácia dizer que o país vai parar se as empresas forem punidas”, disse.

Levantamento do Contas Abertas mostrou que, em 2015, de R$ 39,1 bilhões em investimentos da União, as empresas citadas na Lava Jato participaram com apenas R$ 1,3 bilhão, o equivalente a 3,4%.

Quando se fala apenas de investimentos em obras e instalações, que somaram R$ 10,6 bilhões, a participação das empreiteiras investigadas na operação aumenta, chegando a 12,5%. Castello Branco defende que as empresas acusadas no esquema de corrupção sejam declaradas inidôneas, o que as impediria de fechar novos contratos com o Poder Público. “Seria uma medida de purificação.”

A inidoneidade de uma empresa pode ser declarada tanto no âmbito administrativo quanto no jurídico. Para Castello Branco, a Controladoria-Geral da União (CGU), que negocia acordos de leniência com algumas das empresas investigadas na Lava Jato, deveria tomar a iniciativa de declarar a inidoneidade.

Segundo ele, isso abriria espaço para pequenas e médias empresas contratarem com o governo. “O mercado é fechado porque esse clube de empreiteiras corruptas não permitia que outras participassem. Isso seria um ganho em termo de preços menores e maior qualidade”, disse.

Leniência

Especialista em direito empresarial da Guerra Advogados, Luiz Guerra considera a decisão de colaboração da Odebrecht “bem-vinda”. Para ele, a busca por um acordo de leniência é a decisão mais acertada do ponto de vista de estratégia empresarial.

“Nós temos a delação dos executivos, e aí a responsabilidade é meramente penal, como também a colaboração que pode envolver a empresa. [A leniência] seria uma decisão extremamente inteligente, pois o maior nicho de mercado das empresas de grande porte é a administração pública. Ela tem que se recuperar financeiramente.”

Guerra lembra que o acordo de leniência é benéfico também como forma de barrar novos episódios de corrupção, já que exige medidas de compliance (conjunto de disciplinas no ambiente corporativo para fazer cumprir as normas legais e detectar e sanar eventuais desvios). “[A empresa] tem que cessar imediatamente a prática que vinha cometendo, estabelecer um código de ética, suspender esses atos lesivos. São condições do acordo de leniência. A CGU, o Cade [Conselho Administrativo de Defesa Econômica], com suas respectivas procuradorias, fiscalizam o cumprimento”, destacou.

O cientista político Márcio Malta, da Universidade Federal Fluminense, diz que o envolvimento das maiores empresas do país em desvios de verbas “prejudica” as relações entre o setor público e o privado. “Boa parte das empreiteiras participa de obras capitais, como da Copa do Mundo e do Minha Casa, Minha Vida. Atualmente elas estão com grandes problemas, não só de visibilidade, opinião pública, como também em termos de caixa.”

Malta destaca a profundidade das investigações e diz não visualizar um quadro de normalização em um futuro próximo. “Não foi qualquer executivo, não foi qualquer cargo de direção. Foram os donos das empresas, carregando inclusive o sobrenome. O ano de 2016 já acabou. Vamos começar a reorganizar a casa em 2017.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212