Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Trump assina ordem para punir país que interferir em eleições dos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Trump assina ordem para punir país que interferir em eleições dos EUA


O presidente Donald Trump assinou hoje (12) uma ordem executiva que determina a aplicação de sanções a países que tentam interferir no processo político e eleitoral dos Estados Unidos. “Como já deixei claro, os Estados Unidos não vão tolerar nenhuma forma de interferência estrangeira em nossas eleições”, afirmou por meio de um comunicado.

O texto detalha sanções que poderão ser aplicadas, entre elas o congelamento de ativos, a restrição de transações cambiais, limitação do acesso a instituições financeiras norte-americanas, bem como proibição de empresas dos Estados Unidos de investirem em países que eventualmente sofrerem sanções.

A ordem executiva começa a vigorar dois meses antes das chamadas eleições de meio mandato, com disputas por vagas legislativas em nível federal, estadual e local, bem como eleições para governos locais em 36 estados, além de eleições para prefeituras.

Para analistas entrevistados pela imprensa norte-americana, a ordem foi uma demonstração de esforço do governo para “parecer firme” com a segurança para o processo eleitoral de novembro.

O anúncio sobre a ordem executiva provocou críticas entre republicanos e democratas no Congresso. Alguns parlamentares consideram a medida como “insuficiente”.

Trump foi criticado porque só assinou a ordem na reta final das eleições e, também, pelo fato de ele não ter oferecido uma resposta sobre as denúncias de interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016, supostamente para prejudicar a candidatura de Hillary Clinton.

Agências de inteligência dos EUA concluíram que hackers teriam sigo apoiados pelo governo russo para tentar influenciar o eleitorado norte-americano contra Hillary e para favorecer Donald Trump.

Em julho, após um encontro com o presidente russo, Vladmir Putin, o presidente norte-americano foi questionado por ter aceitado as declarações de Putin, que negou qualquer tipo de interferência nas eleições americanas.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212