Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Após período de baixa, exportações de café crescem 30% em agosto - Jornal Brasil em Folhas
Após período de baixa, exportações de café crescem 30% em agosto


Após um período de baixa, o setor do café começou a mostrar sinais de recuperação. As exportações cresceram 30,4% em agosto na comparação do mesmo mês de 2017. Segundo balanço do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), 3,4 milhões de sacas foram vendidas para o exterior. As receitas em agosto chegaram a US$ 470,6 milhões, uma alta de 10% em relação ao mesmo mês do ano passado.

O crescimento das exportações representa, segundo o diretor-geral do Cecafé, Marcos Matos, o início de uma safra melhor do que a dos últimos anos. De acordo com ele, a safra começa oficialmente em julho, mas grande parte do café já foi colhida e está agora sendo embarcada. Os resultados mostram, por exemplo, a recuperação das plantações do café tipo conillon. “Nós tivemos também o conillon sentindo as consequências do déficit hídrico dos últimos anos”, destacou Matos sobre um dos problemas que o setor enfrenta desde 2015.
Expectativa de crescimento

Na avaliação do diretor-geral, na safra 2018/2018, o Brasil deve confirmar as previsões da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A estimativa aponta que a safra corrente pode alcançar as 58 milhões de sacas, o que representaria um crescimento de 30,1% em relação às 45 milhões de sacas da colheita anterior.

Matos acredita que, em 2018, as vendas para o exterior fiquem no patamar de 34 milhões de sacas. No ano passado, foram exportados 31 milhões de sacas. Para Matos, esse aumento é importante para o Brasil manter a fatia que tem no mercado global, de 32,5% das vendas globais, sendo o maior exportador mundial. “Para nós mantermos o nosso market share nós temos que crescer”, enfatizou.

De acordo com ele, a demanda mundial cresce a um ritmo de 2,2% ao ano. A produção brasileira é vendida para cerca de 130 países. Os Estados Unidos são o principal comprador – de janeiro a agosto foram o destino de 17,5% das exportações, seguidos pela Alemanha (15,3%) e pela Itália (9,3%).

Preços mais baixos

No acumulado até agosto, as exportações brasileiras totalizaram 20,5 milhões de sacas, uma alta de 4,5% em comparação com o mesmo período do ano passado. No entanto, devido à queda do preço do produto, as receitas tiveram uma queda de 7,5%, ficando em US$ 3,1 bilhões.

Em agosto, o preço médio da saca ficou em US$ 138,2, uma queda de 15,6% em relação aos US$ 163,8 negociados no mesmo período de 2017.

Edição: Juliana Andrade

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE