Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Peixarias de Brasília ficam lotadas na Sexta-feira Santa - Jornal Brasil em Folhas
Peixarias de Brasília ficam lotadas na Sexta-feira Santa


Distante de grandes rios e mares, os moradores do Distrito Federal (DF) enfrentam dificuldades de logística e preços altos para comprar peixes. Mesmo assim, o DF tem o dobro do consumo médio per capita de pescados, segundo o presidente da Associação Haja Peixe, Francisco Pereira Baia, que comanda o mercado de peixes da Central de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa). Cada morador brasiliense consome em média entre 16 e 17 quilos de pescado por ano.

“O peixe aqui chega caro porque o DF só produz 20% do que consome, então o pescado vem de outros estados como Bahia, São Paulo, Santa Catarina e Maranhão. A logística para trazer peixe desses locais é cara, eles vêm resfriados ou congelados. Mas nós conseguimos oferecer tilápia, tambaqui e pintado vivos, que produzimos na associação”, conta Baia.

Apesar da dificuldade, ele garante que o preço do pescado não teve aumento na semana santa. O quilo da tilápia é vendido a R$ 13,90, o do tambaqui da amazônia a R$ 12,90 e o pintado a R$ 21,90. Entre os trazidos de outros estados, a pescada amarela, vendida a R$ 34,90 o quilo, está entre os que tem maior saída.

Aumento nas vendas

Com movimento de hoje (25), Baia espera que a semana santa termina com venda de 1,5 tonelada a mais do que o habitual. Normalmente, o mercado vende uma tonelada de pescados por semana. “Sexta até que temos um movimento bom, porque sempre tem uns retardatários que não compraram com antecedência”, conta.

Foi o caso da engenheira Helena Khalil, de 35 anos, que deixou para comprar hoje o camarão e a tilápia que fará para o tradicional almoço de sexta-feira santa. “Não comprei antes por causa da correria do dia a dia, mas também para estar fresquinho, não precisa congelar”, diz.

Helena enfrentou fila e levou mais de 20 minutos para conseguir ser atendida em uma peixaria tradicional de Brasília, a Peixaria Ueda, na Feira do Guará. Ela disse, no entanto, que já esperava pela confusão. “Para evitar esse movimento, eu teria que vir às 7h da manhã. Mas eu quis dormir mais um pouquinho e deixei pra vir mais tarde. Já sabia que estaria assim”, conta.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212