Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 México deve criar comissão para apurar desaparecimento de estudantes - Jornal Brasil em Folhas
México deve criar comissão para apurar desaparecimento de estudantes


O presidente eleito do México, Andrés Manuel López Obrador, prometeu nesta quarta-feira (26) criar uma comissão da verdade para investigar o desaparecimento de 43 estudantes de uma escola de Ayotzinapa em 2014, um dos crimes que mais abalaram o país nos últimos anos.

Um tribunal colegiado de Tamaulipas ordenou, em junho, a criação da comissão por considerar que a investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR) não foi eficaz e imparcial, mas outro órgão judicial do país paralisou a medida após a PGR ter alegado impossibilidade de acatar a sentença inicial.

Após uma reunião com os pais dos alunos desaparecidos, o presidente eleito do México afirmou que pedirá à Justiça para criar uma comissão da verdade para investigar o caso. Vamos solicitar à Justiça, com todo respeito, porque se trata de um poder independente, que reafirme a sentença para que possamos constituir uma comissão de investigação, afirmou López Obrador.

Com ou sem a sentença, a comissão da verdade realizará seu trabalho. Isso representa uma luz de esperança para nós, afirmou María Elena Guerrero, mãe de um dos desaparecidos.

López Obrador também se comprometeu a garantir que o governo do México não dificulte as investigações e a permitir que organizações internacionais de direitos humanos acompanhem os trabalhos de apuração para esclarecer o que de fato ocorreu com os estudantes.

Será todo um conjunto (de medidas) para sabermos de verdade onde estão nossos filhos. Como vítimas, temos direito à verdade, afirmou Elena Guerrero, acompanhada de outros pais de alunos da escola.

Segundo a versão do atual governo do México, os estudantes foram capturados no dia 26 de setembro de 2014 no município de Iguala por policiais corruptos. Eles entregaram os alunos a um grupo criminoso que os assassinou e queimou os corpos em um aterro sanitário.

No entanto, o resultado das investigações foi criticado por especialistas internacionais, que apontam irregularidades cometidas pelas autoridades mexicanas na condução do caso. Um dos pontos questionados é a impossibilidade física de os 43 corpos serem incinerados no aterro.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212