Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 México deve criar comissão para apurar desaparecimento de estudantes - Jornal Brasil em Folhas
México deve criar comissão para apurar desaparecimento de estudantes


O presidente eleito do México, Andrés Manuel López Obrador, prometeu nesta quarta-feira (26) criar uma comissão da verdade para investigar o desaparecimento de 43 estudantes de uma escola de Ayotzinapa em 2014, um dos crimes que mais abalaram o país nos últimos anos.

Um tribunal colegiado de Tamaulipas ordenou, em junho, a criação da comissão por considerar que a investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR) não foi eficaz e imparcial, mas outro órgão judicial do país paralisou a medida após a PGR ter alegado impossibilidade de acatar a sentença inicial.

Após uma reunião com os pais dos alunos desaparecidos, o presidente eleito do México afirmou que pedirá à Justiça para criar uma comissão da verdade para investigar o caso. Vamos solicitar à Justiça, com todo respeito, porque se trata de um poder independente, que reafirme a sentença para que possamos constituir uma comissão de investigação, afirmou López Obrador.

Com ou sem a sentença, a comissão da verdade realizará seu trabalho. Isso representa uma luz de esperança para nós, afirmou María Elena Guerrero, mãe de um dos desaparecidos.

López Obrador também se comprometeu a garantir que o governo do México não dificulte as investigações e a permitir que organizações internacionais de direitos humanos acompanhem os trabalhos de apuração para esclarecer o que de fato ocorreu com os estudantes.

Será todo um conjunto (de medidas) para sabermos de verdade onde estão nossos filhos. Como vítimas, temos direito à verdade, afirmou Elena Guerrero, acompanhada de outros pais de alunos da escola.

Segundo a versão do atual governo do México, os estudantes foram capturados no dia 26 de setembro de 2014 no município de Iguala por policiais corruptos. Eles entregaram os alunos a um grupo criminoso que os assassinou e queimou os corpos em um aterro sanitário.

No entanto, o resultado das investigações foi criticado por especialistas internacionais, que apontam irregularidades cometidas pelas autoridades mexicanas na condução do caso. Um dos pontos questionados é a impossibilidade física de os 43 corpos serem incinerados no aterro.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira
Doria regulamenta lei que proíbe máscaras em protestos em São Paulo
Provável exaustão térmica mata militar no Rio
Fiéis vão às ruas para homenagear São Sebastião, padroeiro do Rio

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212