Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Alta do dólar faz BC elevar projeções para inflação - Jornal Brasil em Folhas
Alta do dólar faz BC elevar projeções para inflação


A estimativa de inflação para este ano subiu, segundo o Relatório de Inflação divulgado hoje (27) pelo Banco Central (BC), na internet. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,2%, em junho, para os atuais 4,4%. Essa é a projeção elaborada com base em perspectiva do mercado financeiro para a taxa de juros (6,5% ao ano) e para o dólar (R$ 4,15 no fim de 2018).

A estimativa ficou bem próxima do centro da meta de inflação, que é 4,5% este ano. Para 2019, o centro da meta é 4,25% e para 2020, 4%. O intervalo de tolerância é de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para 2019, a projeção para o IPCA passou de 4,1% para 4,5%. A estimativa para 2020 passou de 4,1% para 4,2%. E para 2021, a projeção é 4,2%.

Segundo o BC, a elevação das projeções de inflação foi motivada pela alta do dólar. “O principal fator de elevação das projeções em relação ao Relatório de Inflação de junho foi a depreciação cambial ocorrida no terceiro trimestre de 2018, quando a taxa de câmbio passou de uma média de R$ 3,61 no segundo trimestre para valores na casa de R$ 4,15”, diz o BC.

De acordo com o BC, também contribui para a elevação das estimativas a alta de preços administrados, como energia elétrica e combustíveis. “Por outro lado, fatores importantes contribuem para mitigar os efeitos da depreciação cambial [alta do dólar] e trazer a inflação para trajetória de queda, como a ancoragem das expectativas de inflação, o alto nível de ociosidade dos fatores de produção, a trajetória mais lenta de recuperação da atividade econômica e a própria diminuição dos efeitos da depreciação cambial ao longo do tempo”, diz o BC, no relatório.
Outros cenários

O BC também elabora projeções com base em outros cenários. No caso de a Selic seguir as expectativas de mercado e o câmbio permanecer em R$ 4,15, o IPCA ficará em 4,4% neste ano e em 2019, depois recua para 3,8% em 2020 e para 3,7%, em 2021. No cenário com Selic constante em 6,5% e taxa de câmbio de mercado, a inflação vai ficar em 4,1%, neste ano e em 2019, cai para 4% em 2020 e sobe para 4,3%, em 2021.

As expectativas do mercado para o dólar usada nesses cenários foram: R$3,83 no final de 2018, R$3,75 no fim 2019, R$3,70 no final de 2020 e R$3,80 no encerramento de 2021. No caso da Selic, a estimativa para os finais dos períodos são: 6,5% em 2018; 8% em 2019; 8,13% em 2020 e 8% em 2021.

Edição: Talita Cavalcante

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE