Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Brasil não apoia investigar crime contra humanidade na Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
Brasil não apoia investigar crime contra humanidade na Venezuela


Após encontro com o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, disse hoje (28) que o Brasil não vai se unir à iniciativa de seis países (Colômbia, Argentina, Chile, Paraguai, Peru e Canadá) que pediram ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para investigar a prática de crimes contra a humanidade na Venezuela desde 12 de fevereiro de 2014. Esta é a primeira vez, desde a fundação do TPI, em 2002, que um grupo de Estados-parte denuncia outro país.

“O Brasil não se associa a essa iniciativa. Aliás, já existe uma representação no Tribunal Penal Internacional sob exame da procuradoria do tribunal. Ela que dará seguimento ou não a essa iniciativa”, disse a jornalistas.

Perguntado por que o Brasil não apoia a iniciativa, Nunes afirmou que a solidez do caso não parece ser “evidente”. “Acreditamos que o acirramento das tensões não é positivo. Queremos que haja um clima de menos tensão entre nossos países de modo a favorecer o diálogo interno entre governo e oposição da Venezuela”, completou.

O encontro entre Nunes Ferreira e Arreaza ocorreu em Nova York, aproveitando que ambos participam das reuniões da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Nunes Ferreira reiterou o apoio ao livre fluxo de pessoas entre os dois países vizinhos. “A fronteira do Brasil está aberta, se quiserem vir, recebemos. Se quiserem voltar, evidentemente voltarão. A movimentação da fronteira se dá de uma maneira muito fluida”.

Sobre a questão migratória, o chanceler brasileiro disse ter relatado a seu colega venezuelano que a imigração não constitui um “problema dramático” para o Brasil. “O problema é sua localização ali no estado de Roraima. Disse a ele das providências que temos tomado e o nosso esforço para apoiarmos os venezuelanos que queiram ir para outros estados da federação que possam fazê-lo”.

Política externa brasileira

O chanceler brasileiro comentou que foi consultado por colegas estrangeiros sobre o rumo da política externa brasileira após o resultado das eleições presidenciais. “Eu disse que a política externa brasileira não faz grandes mudanças de um governo para o outro. Temos parâmetros muito seguros e seguidos há muito tempo que, com diferença de ênfase num governo ou outro, tem balizado a nossa política externa”.

Nunes Ferreira também informou ter relatado que o Brasil é um “país que tem regras eleitorais seguras, uma Justiça eleitoral, um método de recolhimento de apuração do sufrágio absolutamente seguro e rápido, um país que respeita a diversidade de opiniões”.

Em outubro, o Brasil vai receber pela primeira vez observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA) que vão acompanhar as eleições gerais. Uma equipe de 50 a 60 observadores estrangeiros estarão espalhados por vários pontos do território para acompanhamento do pleito.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira
Doria regulamenta lei que proíbe máscaras em protestos em São Paulo
Provável exaustão térmica mata militar no Rio
Fiéis vão às ruas para homenagear São Sebastião, padroeiro do Rio

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212