Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões - Jornal Brasil em Folhas
Riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões


Prejudicada pelo baixo crescimento econômico e principalmente pela desvalorização do real, a riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões nos últimos 12 meses, alcançando agora US$ 2,5 trilhões. O número foi divulgado hoje (18) pela área de pesquisa do banco Credit Suisse, que publicou o relatório Global Wealth Report 2018.

O desempenho contrasta com o do restante do planeta. Em 2018, a riqueza global das famílias aumentou 4,6%, para US$ 317 trilhões. De acordo com o relatório, problemas econômicos no Brasil e na Argentina tornaram a América Latina a única região do planeta a ter registrado queda na riqueza em 12 meses, com recuo médio de 4,9%.

O maior crescimento foi registrado na América do Norte, onde a riqueza das famílias aumentou 6,5% no ano passado, para US$ 106,5 trilhões. Em seguida, veio a Europa, com expansão de 5,5% (para US$ 85,4 trilhões), e a China, com alta de 4,6% (para US$ 51,9 trilhões).

De acordo com o levantamento, a desvalorização das moedas locais foi a principal causa da redução da riqueza média em dólares, tanto no Brasil como na Argentina. O número de milionários caiu de 190 mil para 154 mil no Brasil e de 29 mil para 21 mil no país vizinho.

Tendência

Segundo o relatório do Credit Suisse, a redução da riqueza das famílias brasileiras tem sido uma tendência nesta década. A riqueza por adulto acumula retração de 36% entre 2011 e 2018 em valores convertidos para o dólar. A riqueza por adulto, destacou o documento, saltou de US$ 8.040 em 2000 para US$ 26.200 em 2011, caindo para US$ 14.236 este ano. Em reais, o valor per capita aumentou, mas a pesquisa informa que a alta deveu-se essencialmente à inflação, que transforma a perda em dólares em ganhos na moeda local.

A desigualdade foi outro aspecto da economia brasileira ressaltado no relatório. De acordo com o banco, o desemprego, atualmente em torno de 12%, e o crescimento esperado de 1,5% da economia para este ano pioram a distribuição de renda. Atualmente, o 1% mais rico da população brasileira detém 43% da riqueza familiar nacional, enquanto a proporção de pessoas com patrimônio inferior a US$ 10 mil equivale a 74% dos habitantes, contra média mundial de 64%.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE