Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões - Jornal Brasil em Folhas
Riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões


Prejudicada pelo baixo crescimento econômico e principalmente pela desvalorização do real, a riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões nos últimos 12 meses, alcançando agora US$ 2,5 trilhões. O número foi divulgado hoje (18) pela área de pesquisa do banco Credit Suisse, que publicou o relatório Global Wealth Report 2018.

O desempenho contrasta com o do restante do planeta. Em 2018, a riqueza global das famílias aumentou 4,6%, para US$ 317 trilhões. De acordo com o relatório, problemas econômicos no Brasil e na Argentina tornaram a América Latina a única região do planeta a ter registrado queda na riqueza em 12 meses, com recuo médio de 4,9%.

O maior crescimento foi registrado na América do Norte, onde a riqueza das famílias aumentou 6,5% no ano passado, para US$ 106,5 trilhões. Em seguida, veio a Europa, com expansão de 5,5% (para US$ 85,4 trilhões), e a China, com alta de 4,6% (para US$ 51,9 trilhões).

De acordo com o levantamento, a desvalorização das moedas locais foi a principal causa da redução da riqueza média em dólares, tanto no Brasil como na Argentina. O número de milionários caiu de 190 mil para 154 mil no Brasil e de 29 mil para 21 mil no país vizinho.

Tendência

Segundo o relatório do Credit Suisse, a redução da riqueza das famílias brasileiras tem sido uma tendência nesta década. A riqueza por adulto acumula retração de 36% entre 2011 e 2018 em valores convertidos para o dólar. A riqueza por adulto, destacou o documento, saltou de US$ 8.040 em 2000 para US$ 26.200 em 2011, caindo para US$ 14.236 este ano. Em reais, o valor per capita aumentou, mas a pesquisa informa que a alta deveu-se essencialmente à inflação, que transforma a perda em dólares em ganhos na moeda local.

A desigualdade foi outro aspecto da economia brasileira ressaltado no relatório. De acordo com o banco, o desemprego, atualmente em torno de 12%, e o crescimento esperado de 1,5% da economia para este ano pioram a distribuição de renda. Atualmente, o 1% mais rico da população brasileira detém 43% da riqueza familiar nacional, enquanto a proporção de pessoas com patrimônio inferior a US$ 10 mil equivale a 74% dos habitantes, contra média mundial de 64%.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212