Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Atos pró-Bolsonaro levam apoiadores a diversas cidades do país - Jornal Brasil em Folhas
Atos pró-Bolsonaro levam apoiadores a diversas cidades do país


Apoiadores do candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) saíram às ruas hoje (21) em apoio ao candidato. Vestidos com camisetas amarelas e uniformes da seleção brasileira, os manifestantes contam com apoio de carros de som, carregam bandeiras do Brasil e fazem o sinal de arma com a mãos - símbolo muito usado pelo candidato durante a campanha. Ontem (20), em várias cidades do país, manifestantes se reuniram contra o fascismo e a favor da democracia, pelos direitos humanos e em defesa da liberdade de expressão. Organizado por movimentos de mulheres, o ato era contrário ao candidato do PSL.

Brasília

Uma carreata marcada por um buzinaço ocupou as seis faixas da pista que liga o Museu da República ao Congresso Nacional onde muitos apoiadores do militar reformado estavam concentrados.

Ao longo do percurso um carro de som comandado por deputados recém-eleitos e lideranças de movimentos que, pelas redes sociais, ajudaram na convocação de eleitores de Bolsonaro, fizeram discursos contra a corrupção, ideologia de gênero e a favor da “família tradicional”. Os manifestantes também cantaram o Hino Nacional, rezaram o Pai Nosso, entoaram palavras de ordem e simularam o gesto de arma em punho, símbolo muito utilizado pelo presidenciável.

O auge do ato em Brasília foi por volta das 11h, mas nem a Polícia Militar nem os organizadores ouvidos pela Agência Brasil estimaram público. “Nosso objetivo hoje é mostrar que o brasileiro está cansado de 13 anos de governo do PT a gente quer realmente uma mudança. A gente cansou desse discurso de divisão no país e a gente acredita que o único nome capaz de unir o Brasil seja Jair Bolsosnaro”, disse Fábio Constantino, coordenador do movimento Nas Ruas e um dos organizadores da carreata de hoje.

Rio de Janeiro

Na capital fluminense, a manifestação ocorreu na Praia de Copacabana, na zona sul. Carros de som, dois deles com faixas do Movimento Brasil Livre (MBL) e um do movimento Vem Pra Rua, chamam a atenção de quem passa pelo local. No microfone, organizadores atacam o PT e acusam a candidatura de Fernando Haddad de planejar que o Brasil se transforme na Venezuela, em referência a problemas econômicos e sociais enfrentados pelo país vizinho.

Uma faixa estendida na manifestação trazia a frase Não aceitaremos fraude e recebia a assinatura de participantes da manifestação. Segundo a organização do ato, a faixa será levada para o Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília.

Os organizadores repetiram durante o ato o slogan da campanha de Bolsonaro, Brasil acima de tudo, Deus acima de todos e afirmaram que defendem a família, a segurança pública e a educação sem doutrinação. O Hino Nacional foi repetido diversas vezes durante a manifestação.

Deputado estadual mais votado do estado do Rio, Rodrigo Amorim (PSL) defendeu o combate à corrupção e à esquerda e afirmou que a votação recebida traz uma grande responsabilidade. A bancada está mais unida do que nunca.

Em São Paulo, os eleitores e simpatizantes do candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, reuniram-se na Avenida Paulista, região central da cidade. Vestidos de verde e amarelo, segurando cartazes com palavras de ordem, como Bolsonaro Mito, PT Nunca Mais e Meu partido é o Brasil, além de bandeiras e bonecos infláveis, os manifestantes ocuparam a via, que fica fechada para os carros aos domingos e feriados.

Seis carros de som dos movimentos participantes estavam estacionados ao longo da avenida. Em cada um, eram feitos discursos contra partidos políticos classificados como progressistas e de esquerda, com a principal bandeira sendo #PT NÃO.

De acordo com a líder do movimento Vem pra Rua, Adelaide Oliveira, o ato ocorre em resposta a partidos e políticos que se envolveram em atos de corrupção. Não queremos mais a corrupção e sim representantes que trabalhem para o Brasil e não para si mesmos. A corrupção sempre tem que ser combatida. Quando surgimos foi de uma indignação com a corrupção, disse.

Adelaide destacou ainda que dizer que o povo brasileiro é corrupto é uma grande mentira. O povo não é corrupto. Teve o sofrimento da corrupção e um flagelo infeliz que permeou todos os partidos políticos e camadas da sociedade. O brasileiro médio que trabalha para sustentar a casa tem orgulho de ter o nome limpo. É esse brasileiro que temos que respeitar e deve estar representado em Brasília, afirmou.

A organização e a Polícia Militar não informaram o número de participantes.
Redes sociais

Por meio do Twitter, o candidato do PSL disse que sua saúde não permite a participação em atos públicos. Ele lembrou que sofreu um atentado no início do setembro e disse que acompanha as manifestações pelo país. Estou acompanhando os atos e meu coração está com todos vocês! Muito obrigado e que Deus os abençoe, escreveu Bolsonaro.

*Matéria ampliada às 14h34, às 15h06 e às 17h14

Edição: Lílian Beraldo

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212