Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Governo do Rio vai contingenciar R$ 12 bilhões do orçamento - Jornal Brasil em Folhas
Governo do Rio vai contingenciar R$ 12 bilhões do orçamento


O secretário de Fazenda do Rio de Janeiro, Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho, disse hoje (12) que o estado contingenciará R$ 12 bilhões do orçamento previsto para 2019. Segundo ele, no esforço de reduzir o gasto público, a orientação é para que cada secretaria renegocie seus contratos buscando um corte de 30% nos valores.

O contingenciamento não leva em conta apenas o déficit de R$ 8 bilhões, previsto na Lei Orçamentária Anual de 2019, aprovada no fim ano passado. A estimativa é de R$ 72,3 bilhões de receita e de R$ 80,3 bilhões em despesas. Há rubricas que não são certas e, por precaução, se deve contingenciar despesa, explicou Luiz Claudio, após reunião do secretariado com o governador Wilson Witzel.

Segundo o secretário, além dos R$ 8 bilhões do déficit, serão contingenciados R$ 3 bilhões equivalentes às receitas com operação de crédito e R$ 1 bilhão equivalente às receitas extraordinárias ocorridas no ano passado. São receitas que, de acordo com Luiz Claudio, podem não acontecer em 2019.

O secretário informou ainda que foi fixada uma meta para que, nos próximos 100 dias, cada pasta divulgue e execute medidas voltadas para a economia dos recursos. Na secretaria de Fazenda, uma das ações que está em curso é a verificação do cumprimento das normas envolvendo benefícios fiscais. Há uma série de casos já identificados de empresas que tem benefícios fiscais, mas que não dão a devida contrapartida. Essas serão objeto de revogação dos benefícios, disse.

Salários atrasados

Ao deixar a reunião com o secretariado, o governador Witzel disse que o contingenciamento é necessário para que o estado possa cumprir seus compromissos. Ele afastou, no entanto, o risco de atraso nos salários dos servidores, como ocorreu no governo Luiz Fernando Pezão.

O salário do servidor nós teremos condições de pagar com a arrecadação do tesouro mais os royalties do petróleo, que fazem parte da arrecadação extraordinária. O que corre risco, é honrar os contratos. Não vamos deixar de pagar o servidor. Mas vamos trabalhar para que também os contratos sejam pagos e a administração possa prestar um bom serviço público, disse.

Edição: Aécio Amado

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212