Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


10 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 AGU discute uniformização de práticas regulatórias com setor privado - Jornal Brasil em Folhas
AGU discute uniformização de práticas regulatórias com setor privado


Com o objetivo de desburocratizar e uniformizar as regras regulatórias do país, será lançado em 15 dias um manual de boas práticas que irá vincular toda a área jurídica da administração pública federal. O documento que está sendo elaborado por um grupo de trabalho da Advocacia-Geral da União (AGU) trará premissas que irão auxiliar o assessoramento jurídico de gestores na formulação de políticas públicas e na regulação de setores econômicos.

Durante audiência pública sobre o assunto realizada hoje (30) na AGU, a advogada-geral da União, Grace Mendonça, falou sobre a importância de encontrar alternativas que auxiliem a área jurídica do setor público país a tornar o ambiente de negócios do país mais simples, claro e eficiente. Para ela, a AGU poderia assumir essa competência de orientar as diretrizes do ambiente regulatório no país.

A realidade atual é de aumento da complexidade das relações jurídicas. Hoje, quem quer investir tem que contratar verdadeiros especialistas na área regulatória. O esforço de toda a equipe vem no sentido de criar um ambiente de negócios mais amigável no Brasil, explicou a advogada-geral.

Também participaram do debate representantes da indústria e do comércio que defenderam a simplificação das regras regulatórias do país. “Decisões claras e proporcionais podem contribuir para um bom ambiente regulatório no Brasil. Uma sugestão seria promover o planejamento regulatório estratégico, com agências e órgãos adotando práticas de missão anual de agendas regulatórias, tornando-as parte de seu planejamento”, sugeriu a especialista em Políticas e Indústria da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Patrícia Fernandes de Carvalho.

Segurança jurídica

Mais segurança jurídica no cumprimento de contratos com o setor público foi uma das preocupações levantadas durante a audiência pública. “Temos hoje um excesso de judicialização de qualquer regra, esteja ela incluída no contrato de concessão ou no termo de permissão. E isso é muito prejudicial tanto para o setor privado quanto para o poder público, quando o ideal é o cumprimento rígido pelas partes das regras estabelecidas no contrato e no termo de permissão”, afirmou o coordenador jurídico da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Ivo Carlos de Almeida Palmeira.

A burocracia na concessão de licenças ambientais, que tem sido criticada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, também foi comentada consultor jurídico da Aeronáutica, Romilson Volotão. “O licenciamento ambiental brasileiro é ineficiente, principalmente nos projetos de infraestrutura. Uma usina hidrelétrica precisa de 20 licenças de 11 órgãos públicos diferentes. Não é preciso mudar a legislação atual, que é uma das mais avançadas do mundo, mas é preciso uma atuação coordenada da administração pública, entre as diversas agências. E isso traz um prejuízo em termos de demora do licenciamento e de judicialização posterior”, explicou o consultor. Ele sugeriu como solução para o problema a definição de uma instituição pública líder, responsável por coordenar o trabalho entre os diversos órgãos.

Edição: Sabrina Craide

 

Últimas Notícias

Petrobras demite funcionários com prisão decretada na Lava Jato
Porto de Santos movimenta 110 milhões de toneladas de carga em 2018
Alimentos da cesta básica estão mais caros em 16 capitais brasileiras
Vendas internas de veículos novos têm melhor resultado desde 2015
BNDES lança programa para atender startups
Mercosul e UE retomam negociação com expectativa de acordo até março
Poupança tem menor captação para meses de novembro em três anos
Toma posse diretoria da nova Agência Reguladora de Mineração

MAIS NOTICIAS

 

Moro reafirma “confiança pessoal” em Onyx
 
 
Após discussão, votação do Escola sem Partido em comissão é suspensa
 
 
Senado aprova projeto que congela distribuição de recursos do FPM
 
 
Crediário e cartão são os maiores responsáveis pela inadimplência
 
 
Balança comercial tem segundo melhor superávit para meses de novembro
 
 
Enel anuncia R$ 3,1 bi em distribuição de energia em São Paulo

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212