Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Araújo: iniciativa de grupo internacional não é útil para Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
Araújo: iniciativa de grupo internacional não é útil para Venezuela


O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse hoje (7), durante entrevista coletiva na embaixada do Brasil nos EUA, que considera que a iniciativa do Grupo de Contato Internacional para buscar uma solução para a crise política na Venezuela não é útil.

“Achamos que isso [a iniciativa do grupo de contato] não é um ponto de partida. É uma iniciativa que, a exemplo de iniciativas no passado, por mais bem-intencionada que possa ser, terá, se prosperar, como resultado apenas retardar o fim do regime ditatorial, dar espaço de respiração para Nicolás Maduro e seu grupo e criar uma dúvida sobre a evolução do processo democrático”, disse Araújo.

Nesta quinta-feira, o Grupo Internacional de Contato realizou uma reunião em Montevidéu sobre a Venezuela e defendeu que a saída deve ser definida pelo povo venezuelano. Integrado por países das Américas e da Europa, o grupo busca um acordo para o fim do conflito venezuelano pelas vias diplomáticas.

Mais cedo, o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, disse, que a Venezuela vive um dilema entre a paz e a guerra. A afirmação ocorreu durante entrevista coletiva sobre a reunião do Grupo de Contato Internacional. A reunião foi convocada pelo Uruguai, pelo México e pela União Europeia (UE).

Apoio a Guaidó

O chanceler brasileiro disse que o “caminho” para a Venezuela é o reconhecimento do autoproclamado governo provisório de Juan Guaidó como legítimo, inclusive para buscar uma saída para Nicolás Maduro que, disse o chanceler, “não é mais uma parte legítima em nenhum diálogo”. “A iniciativa de Montevidéu parte das premissas erradas e não trará os resultados que todos esperamos, que é a volta da democracia na Venezuela. Apenas serviria para retardar esse processo, portanto não consideramos que seja uma iniciativa válida”, disse.

Na coletiva, o chanceler voltou a afirmar que o Brasil não apoia uma saída militar para a questão venezuelana e que acredita que a transição deve ser conduzida pelo poder local por meios políticos e diplomáticos. O ministro disse ainda lamentar o bloqueio da ajuda humanitária à Venezuela, enviada pelos Estados Unidos, que se encontra parada na Colômbia.

“Lamentável que tenha tido esse bloqueio do acesso da ajuda humanitária, só temos a esperar que isso seja revertido pelas próprias forças venezuelanas que, de alguma maneira, tomaram essa atitude completamente desumana. [Esperamos] que seja facilitado e facultado o acesso ao povo venezuelano àquilo que ele tanto precisa”, disse.
Representantes de Maduro

Questionado se receberia representantes do governo de Maduro, Araújo disse que o governo brasileiro considera atualmente como seu canal oficial de comunicação com o país a embaixadora venezuelana designada para o Brasil por Guaidó, María Teresa Belandria.

“Nosso diálogo é com ela, com representantes de Maduro não temos nada a acordar. A visão oficial desse regime já sabemos que é uma coleção de mentiras, que sabemos que não tem utilidade nenhuma”, disse.

Viagem aos EUA

Araújo disse que o presidente Jair Bolsonaro deve viajar aos EUA na segunda quinzena de março. De acordo com o ministro, a tônica da viagem vai ser mostrar o “novo patamar” da relação entre os dois países. O chanceler disse que a ideia é apresentar resultados específicos nas áreas econômicas, de segurança e de defesa.

“Está ficando claro que o Brasil precisa dar um salto qualitativo na relação com os Estados Unidos e trabalhar rumo a uma interconexão maior das duas economias; algo que vá além do acesso ao mercado para produtos x, y, z,... algo que realmente tenha uma visão estratégica de interconexão e um símbolo é a recente fusão da Embraer com a Boeing”, disse.

A agenda de Bolsonaro deve reunir temas econômicos e comerciais, segundo o chanceler. Araújo quer também que parlamentares norte-americanos visitem o Brasil para conhecer a realidade nacional e discutir temas de interesse mútuo.

O ministro disse que o Brasil tem interesse comum com os EUA na área de defesa e segurança. “Já existe toda uma interação e podemos trabalhar isso com mais ênfase e com uma visão estratégica, tanto na parte de combate ao crime organizado, como na área de capacitação militar”, disse.

Edição: Fábio Massalli

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212