Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Brumadinho negocia fundo internacional para reconstruir área atingida - Jornal Brasil em Folhas
Brumadinho negocia fundo internacional para reconstruir área atingida


O prefeito de Brumadinho, Avimar de Melo, informou hoje (7) que negocia com um fundo internacional aporte de recursos para a reconstrução de estruturas danificadas na cidade, há duas semanas, com o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, pertencente à mineradora Vale. O investimento depende, contudo, da disponibilização de verbas por parte da mineradora.

Segundo o prefeito, o fundo, de origem canadense, entraria com 60% dos recursos a fundo perdido (ou seja, sem necessidade de ressarcimento). Já a Vale teria que aportar os 40% restantes, montante que poderia incluir os pagamentos e indenizações às famílias.

Ele calcula em aproximadamente R$ 150 milhões o total necessário para a retirada da lama, a recuperação do meio ambiente e a reconstrução de parte da cidade. O valor da reconstrução de uma ponte, por exemplo, para viabilizar o trânsito de alguns vilarejos ao centro, está orçado em R$ 10 milhões.

Melo ressaltou que a Vale terá de arcar com as despesas relacionadas ao atendimento às vítimas e à reparação dos danos. “Na verdade, a Vale não está fazendo mais que a obrigação. Porque reparar vítimas não tem preço”, disse Melo.

Pagamentos

Os primeiros repasses da mineradora, no valor de R$ 100 mil, foram pagos a mais de 100 vítimas da tragédia, informou o prefeito. Também foi fechado um acordo para que a mineradora continue repassando impostos, mesmo com o fim das atividades, o que deve ocorrer de 20 a 24 meses, no montante de R$ 5 milhões mensais.

A prefeitura também quer que a empresa não demita os trabalhadores. “Ela [a Vale] vai ter que pagar com os funcionários em casa. Se eles não cumprirem, iremos ao Ministério Público e vamos parar a Vale em todos os lugares.” Ele acrescentou que vai prestar “todo apoio às vítimas na negociação com a companhia.

Melo disse estar preocupado com o fim da atividade da mineradora na cidade, responsável por 80% dos royalties e por 35% da arrecadação do município. Ele disse que, além da negociação com o fundo, também prepara projetos a serem entregues aos governos estadual e federal.

Responsabilidade

Avimar de Melo foi questionado sobre a responsabilidade da administração municipal na tragédia, em razão da fiscalização da barragem rompida e do plano de segurança. Ele se justificou apontando o papel de fiscalização para o governo do estado e órgãos federais, como a Agência Nacional de Mineração. “Quem exige o plano é a Agência Nacional de Mineração. O que foi feito acompanhar a equipe da Defesa Civil e a equipe técnica das Vale. Não temos profissionais capazer para dizer se estão corretos ou não.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Receita cria chat para regularizar débitos de pessoas físicas
MP facilita registro de empresas nas juntas comerciais
Mudança em servidor foi a causa de instabilidade ontem, diz Facebook
Corte de pessoal gera economia de R$ 200 milhões, afirma presidente
TCU pede informações antes de decidir sobre leilão de ferrovia
Leilão de aeroportos testa novo modelo em blocos
Pretendentes já ofertaram R$ 2,3 bi no leilão de aeroportos
Aeroportos foram arrematados com ágio médio de 986%

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212