Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Demarcação de terras será pauta de muita conversa, diz nova ministra - Jornal Brasil em Folhas
Demarcação de terras será pauta de muita conversa, diz nova ministra


A futura ministra da nova pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse hoje (6) que a demarcação de terras indígenas será pauta de muita conversa no governo. O presidente eleito, Jair Bolsonaro, já manifestou intenção de rever a política de demarcação de terras indígenas no país.

“Nós vamos ter que conversar muito sobre isto. Eu, particularmente, questiono algumas áreas indígenas. Sempre lembrando que este ministério vai interagir com os demais ministérios.”, disse a ministra ao ser anunciada pelo futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Ela afirmou que dialoga com indígenas há 16 anos, trabalhando pela saúde da criança indígena.

Mulher e aborto

Damares também disse que no novo governo a mulher não receberá salário inferior ao homem se executar a mesma função. “Se depender de mim vou para a porta da empresa em que o funcionário homem, desenvolvendo papel igual da mulher, ganhe mais. Acabou isso no Brasil”.

A futura ministra disse que o ministério será de “proteção à vida” e se declarou contra o aborto. “Acho que nenhuma mulher quer abortar. Queremos um Brasil sem aborto, que priorize políticas públicas de planejamento familiar, que nunca seja visto como um método contraceptivo”. O ministério, segundo ela, não lidará com o aborto. “Essa pasta vai lidar com proteção de vidas, não com morte”. Para ela, a legislação vigente a respeito do tema não deve ser alterada.

LGBT

Questionada, Damares disse que a questão LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) é delicada, porque “criaram uma falsa guerra entre LGBT e cristãos”. “Essa guerra entre cristãos e LGBT não existe. Dá para a gente conversar, sentar e dialogar”, disse.

A futura ministra acrescentou que o ministério enfrentará a violência fruto do preconceito pela orientação sexual. “Se precisar estarei nas ruas com as travestis, na porta das escolas com as crianças que são discriminadas por sua orientação sexual”. A ministra finalizou afirmando ser possível “um governo de paz entre o movimento conservador, o movimento LGBT e os demais movimentos”.

Com este anúncio, a equipe ministerial tem 21 ministros, faltando apenas a definição para a pasta do Meio Ambiente. Apoiada por setores evangélicos, Damares Alves é educadora, advogada e pastora evangélica.

Edição: Fábio Massalli

 

Últimas Notícias

Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio
Governo libera 100% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais
BNDES fecha o ano com desembolsos de R$ 71 bilhões

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212