Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Corrupção não é argumento para impeachment, afirma especialista em direito - Jornal Brasil em Folhas
Corrupção não é argumento para impeachment, afirma especialista em direito


A análise do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff deve ser feita de acordo com a Constituição e o impedimento não pode ser aprovado sem justificativa legal. A avaliação é do especialista em direito financeiro e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) Ricardo Lodi Ribeiro. Segundo ele, há uma confusão entre os motivos que podem tirar um presidente do poder, pelo Congresso Nacional, e as investigações de corrupção que tramitam na Justiça.

“O processo de impeachment não trata de corrupção. Trata de operações financeiras que o governo Dilma [Rousseff] praticou, a exemplo de todos os governos anteriores, inclusive de vários governos estaduais. Esses procedimentos sempre foram aprovados pelos tribunais de contas, pelo Congresso Nacional e assembleias legislativas”, afirmou Ribeiro em entrevista concedida hoje (30).

Antes de embarcar para Brasília, onde será ouvido amanhã (31) pela comissão especial que analisa o pedido de impeachment na Câmara dos Deputados, o professor participou de ato na Uerj, criticando a condução política do rito e defendendo a legalidade.

No auditório lotado da universidade, também estiveram presentes servidores, advogados e professores de direito, entre eles o desembargador Sérgio de Souza Verani, o juiz Rubens Casara e o emérito Ricardo Lira, além do jurista Juarez Tavares, um dos autores de parecer contrário ao impedimento de Dilma.

“Pedaladas não constituem crime de responsabilidade”

No Congresso, o professor Ricardo Ribeiro, que já foi sub-procurador-chefe da Procuradoria-Regional da Fazenda Nacional, defenderá que as chamadas pedaladas não são crime de responsabilidade e não podem ser usadas como justificativa para retirar a presidenta da cadeira.

“A questão da pedalada nada mais é do que o atraso no repasse de recursos do Tesouro [Nacional] para bancos públicos pagarem beneficiários de programas sociais”, disse.

Lodi Ribeiro esclareceu que essas manobras, embora controversas, não podem ser comparadas a operações de crédito, quando o governo pega dinheiro dos bancos públicos, estas sim vedadas na lei. Ele informou que o uso do recurso financeiro temporário não infringe a Lei Orçamentária Anual e que, portanto, não pode ser argumento para o impeachment.

“O que a lei de impeachment caracteriza como crime de responsabilidade é o atentado do presidente à Constituição. Um dos tipos é contra a lei orçamentária. Eles [os autores do pedido] querem caracterizar isso (a manobra do governo) como suposta violação da Lei de Responsabilidade Fiscal. Ou seja, não é à Constituição nem à lei de orçamento”, explicou.

A referência do professor é ao pedido de impeachment elaborado por Miguel Reale Júnior, Hélio Bicudo e Janaína Paschoal e aceito pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Para o professor, ao julgar a presidenta o Congresso deve se basear na Constituição. Ele sugeriu que, caso essas regras não sejam cumpridas, pode restar configurado “golpe parlamentar”.

“Estão começando as primeiras sessões que tratam do pedido, mas se o Congresso Nacional se afastar do exame da aferição de crime de responsabilidade, levando em consideração outros aspectos estranhos, estará violando a Constituição”, advertiu Lodi Ribeiro.

Na avaliação do professor, que já foi sócio em escritório de advocacia do também professor da Uerj e ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), até agora o STF atuou de maneira correta. Ele citou o exemplo do Supremo, que regulou a tramitação do impeachment, de modo a torná-lo igual ao do ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1992.

“Claro que essa é uma decisão [de acolher o impeachment] que compete ao Congresso Nacional, mas o Congresso está submetido à Constituição e o STF é o guardião dela”, disse. “Tenho esperança que, caso haja violação das regras constitucionais, o Supremo cumpra seu papel, da mesma forma que tenho esperança que os deputados e o Senado não se afastem da Constituição em matéria tão importante para a democracia brasileira”, concluiu.

 

Últimas Notícias

Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212