Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Dilma afirma que reforma ministerial só virá após votação do impeachment - Jornal Brasil em Folhas
Dilma afirma que reforma ministerial só virá após votação do impeachment


A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira que a reforma ministerial só será anunciada depois de votado o processo de impeachment no plenário da Câmara dos Deputados. Dilma visitou a Base Aérea de Brasília para conhecer a aeronave KC-390 da Embraer.

— O Palácio do Planalto não está pretendendo transformar qualquer reestruturação ministerial antes de qualquer processo de votação na Câmara. Nós não iremos mexer em nada — disse Dilma, negando em seguida que o Ministério da Educação entre num futuro desenho dos ministérios:

— O MEC não está em questão.

Na edição desta terça-feira, O GLOBO mostrou que um dos motivos pelo qual o governo decidiu adiar a reforma ministerial é o medo de traições de aliados.

Perguntada sobre a proposta do senador Valdir Raupp (PMDB-RO) de fazer eleições em outubro, a presidente ironizou, dizendo que os parlamentares têm de abrir mão de seus cargos antes. Dilma afirmou também que a proposta do peemedebista não passa de uma "proposta".

— Essa proposta, como várias outras, são propostas. Eu acho que é uma proposta. Convença a Câmara e o Senado a abrir mão de seus mandatos. Aí vem conversar comigo.

A presidente voltou a dizer que é golpe tentar o impeachment usando os argumentos dos decretos presidenciais que liberaram recursos orçamentários sem autorização do Congresso, e das pedaladas fiscais - o represamento de recursos a bancos públicos responsáveis por fazer pagamentos de benefícios e programas sociais.

— Acho lamentável que essa questão, tantos os decretos quanto as pedaladas fiscais, acho que qualquer tentativa de transformar isso em impeachment é golpe. É golpe porque não tem base legal — disse Dilma.

Questionada se ela concordava com o argumento do ministro José Eduardo Cardozo, da Advocacia-Geral da União (AGU), de que o pedido de impeachment foi aceito pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como vingança contra o governo, Dilma respondeu:

— Vocês (jornalistas) noticiaram. Sugiro que vocês peguem todas as notícias da imprensa e façam um roteiro: o que vocês disseram e o que aconteceu. Também tem que ter essa responsabilidade jornalística. Não fomos nós que noticiamos na antevéspera na aceitação do pedido (de impeachment).

PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS

Dilma negou que o governo vá pressionar pela redução do preço da gasolina, o que geraria uma notícia de apelo popular em meio ao processo de impedimento. Mas destacou que há uma diferença entre o preço praticado no Brasil e no exterior.

— O governo não tem nada a ver com subir ou baixar o preço da gasolina. O que eu acho interessante é o seguinte: toda vez que é para subir, o governo não deixa. Toda vez que é para descer, o governo não quer. Então fica difícil. O problema é que, por qualquer avaliação, há desde o ano passado uma discrepância entre o preço praticado no Brasil e o preço praticado lá fora. Então, se a Petrobras achar por bem fazê-lo, é o caso dela fazer. Se ela achar por bem não fazer, é o caso de não fazer. Agora, que a discrepância existe, ela existe — afirmou Dilma.

 

Últimas Notícias

Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Battisti ficará em isolamento por um ano em prisão na Sardenha
CNN Brasil será lançado neste ano
Toffoli nega habeas corpus preventivo para Battisti
ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212