Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cunha quer parentes de deputados no plenário na votação do impeachment - Jornal Brasil em Folhas
Cunha quer parentes de deputados no plenário na votação do impeachment


O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta sexta-feira (8) que deve colocar em parte da galeria do plenário da Câmara parentes de deputados durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff. Ele ainda pretende evitar a presença de manifestantes dentro do plenário.
Ao ser questionado sobre como será a segurança da Casa nos dias da votação, Cunha afirmou que se reunirá nesta segunda (11) para definir as restrições de acesso. “Vou tentar definir um critério qualquer”, disse.
“Os parlamentares querem trazer os seus parentes, filhos, esposas, maridos, tudo isso está acontecendo. (...) Provavelmente vamos ter que usar a galeria para uma parte da imprensa. Provavelmente vamos ceder [parte da galeria] para os parlamentares que querem trazer seus familiares”, afirmou.
Segundo Cunha, o limite da galeria, que fica na parte de cima do plenário, é de 250 pessoas. “Você não vai conseguir atender na galeria todo mundo e vai gerar briga por ocupação, provavelmente claque e não é esse o objetivo”, disse.
A previsão é de que a votação tenha início na próxima sexta-feira (15). Isso porque, votando o relatório da comissão especial na próxima segunda (11), ele será lido em plenário na terça-feira e publicado no Diário da Câmara na quarta. A partir de então, serão contadas 48 horas para o início da discussão e votação no plenário.
Cunha já estimou que o debate e a votação no plenário podem durar até três dias –o que levaria seu desfecho para o domingo (17).
Os parlamentares governistas contestam a votação no fim de semana, e já chegaram a dizer que o presidente da Câmara quer um “cadáver”, já que a votação num domingo poderia gerar uma grande mobilização popular e, possivelmente, confrontos.
O presidente da Câmara disse não ter “dia definido” para a votação. “O dia depende da sequência do calendário.”
“A adesão popular acontecerá seja qual for o dia da votação. (...) Não vejo isso [votação no domingo] como estímulo ou desestímulo. Vejo isso como consequência normal de um processo que precisa ser encerrado”, disse. Segundo o peemedebista, houve muita pressão de deputados em dezembro, quando foi aceito o pedido de impeachment por Cunha. “Todo mundo queria convocar sessão extraordinária no recesso. Os governistas todos ficaram aqui tentando pressionar para ter sessão extraordinária, votar em janeiro, avançar. Então por que não pode ter sessão no fim de semana?”, questionou.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212