Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Cunha quer parentes de deputados no plenário na votação do impeachment - Jornal Brasil em Folhas
Cunha quer parentes de deputados no plenário na votação do impeachment


O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta sexta-feira (8) que deve colocar em parte da galeria do plenário da Câmara parentes de deputados durante a votação do impeachment de Dilma Rousseff. Ele ainda pretende evitar a presença de manifestantes dentro do plenário.
Ao ser questionado sobre como será a segurança da Casa nos dias da votação, Cunha afirmou que se reunirá nesta segunda (11) para definir as restrições de acesso. “Vou tentar definir um critério qualquer”, disse.
“Os parlamentares querem trazer os seus parentes, filhos, esposas, maridos, tudo isso está acontecendo. (...) Provavelmente vamos ter que usar a galeria para uma parte da imprensa. Provavelmente vamos ceder [parte da galeria] para os parlamentares que querem trazer seus familiares”, afirmou.
Segundo Cunha, o limite da galeria, que fica na parte de cima do plenário, é de 250 pessoas. “Você não vai conseguir atender na galeria todo mundo e vai gerar briga por ocupação, provavelmente claque e não é esse o objetivo”, disse.
A previsão é de que a votação tenha início na próxima sexta-feira (15). Isso porque, votando o relatório da comissão especial na próxima segunda (11), ele será lido em plenário na terça-feira e publicado no Diário da Câmara na quarta. A partir de então, serão contadas 48 horas para o início da discussão e votação no plenário.
Cunha já estimou que o debate e a votação no plenário podem durar até três dias –o que levaria seu desfecho para o domingo (17).
Os parlamentares governistas contestam a votação no fim de semana, e já chegaram a dizer que o presidente da Câmara quer um “cadáver”, já que a votação num domingo poderia gerar uma grande mobilização popular e, possivelmente, confrontos.
O presidente da Câmara disse não ter “dia definido” para a votação. “O dia depende da sequência do calendário.”
“A adesão popular acontecerá seja qual for o dia da votação. (...) Não vejo isso [votação no domingo] como estímulo ou desestímulo. Vejo isso como consequência normal de um processo que precisa ser encerrado”, disse. Segundo o peemedebista, houve muita pressão de deputados em dezembro, quando foi aceito o pedido de impeachment por Cunha. “Todo mundo queria convocar sessão extraordinária no recesso. Os governistas todos ficaram aqui tentando pressionar para ter sessão extraordinária, votar em janeiro, avançar. Então por que não pode ter sessão no fim de semana?”, questionou.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212