Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Degelo entre EUA e Irã aumenta tensão com Arábia Saudita - Jornal Brasil em Folhas
Degelo entre EUA e Irã aumenta tensão com Arábia Saudita


A aplicação do acordo nuclear internacional com o Irã marca um avanço importante na cautelosa aproximação entre Washington e Teerã, mas também gera um aumento das tensões com a Arábia Saudita.

Enquanto o governo do presidente Barack Obama insiste que seu objetivo é apenas impedir o crescimento do número de armas nucleares, os observadores detectam um esforço para gerar um novo equilíbrio.

E este esforço deu frutos nesta semana com a libertação de 10 marinheiros americanos capturados no Golfo por forças iranianas, com a libertação de prisioneiros no Irã e com a aplicação formal do acordo.

No entanto, diante dos confrontos entre Teerã e Riad, a aproximação com o governo xiita do Irã inevitavelmente alimenta a paranoia das monarquias sunitas do Golfo, tradicionalmente aliadas próximas dos Estados Unidos.

Uma das visões de Obama para esta região, ao menos no Golfo, é o equilíbrio. Utiliza muito esta frase, declarou Frederic Wehrey, do Carnegie Endowment for International Peace.

Equilíbrio desfeito

Para além das guerras na Síria e no Iêmen, onde as forças apoiadas por Riad lutam contra as forças apoiadas por Teerã, uma paz regional englobadora só pode ocorrer quando ambos construírem uma relação de confiança.

E, apesar das ambições de Washington, as potências regionais rivais estão muito distantes disso. De fato, o compromisso dos Estados Unidos e do Irã no âmbito do acordo nuclear só serviu para deixar a Arábia Saudita muito ansiosa.

No Ano Novo, Riad executou um clérigo xiita por sedição, gerando protestos no Irã que levaram ao saque da embaixada saudita e à ruptura das relações diplomáticas.

Segundo Wehrey, Obama espera que se os dois rivais não conseguirem alcançar uma distensão ou uma aproximação, ao menos mantenham o equilíbrio e consigam mais ou menos seguir adiante para que os Estados Unidos possam se focar na Ásia.

É claro que esta esperança de equilíbrio se rompeu, acrescentou o também acadêmico da Universidade de Oxford.

Os especialistas preveem que, após o início da aplicação do acordo nuclear com o Irã, Obama realize uma visita à península arábica para acalmar os governos saudita e dos Emirados.

O secretário de Estado americano, John Kerry, viajou na quinta-feira a Londres para conversar com seu colega saudita, Adel al-Jubeir.

Jubeir, ex-embaixador em Washington, está acostumado a ser ouvido e a obter solidariedade de seu aliado, mas Kerry deixou claro desde o início que havia assuntos a discutir.

Kerry não afirmou, mas fontes em Washington indicaram que o governo estava consternado com a execução do clérigo Nimr al Nimr, que piorou dramaticamente a crise.

Os Estados Unidos estão e estarão com seus aliados e amigos na região. Mas também queremos que a diplomacia funcione, disse Kerry aos jornalistas antes de se reunir com seu colega saudita.

Destruição

Por sua vez, Jubeir lembrou a Kerry que a Arábia Saudita trabalhou estreitamente com os Estados Unidos no passado. E utilizou palavras duras para se referir aos líderes iranianos, a quem Washington busca seduzir.

Ao ser consultado se estava preocupado com o levantamento das sanções contra Teerã, Jubeir respondeu aos jornalistas: Todos os países do mundo estão preocupados.

O histórico do Irã é de guerra e destruição, terrorismo, desestabilização, interferência nos assuntos de outros países, insistiu, depois de se reunir com Kerry.

Jubeir havia considerado na semana uma ameaça para os Estados Unidos o fato de as forças iranianas terem capturado dez marinheiros americanos no Golfo.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212