Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Relembre as últimas semanas do terremoto político no Brasil - Jornal Brasil em Folhas
Relembre as últimas semanas do terremoto político no Brasil


O Brasil é sacudido há mais de um mês por um terremoto político-jurídico, com a presidente Dilma Rousseff alvo de um processo de impeachment e seu predecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, investigado por suposta corrupção e envolvimento no escândalo do Petrolão.

A Operação Lava Jato, iniciada em 2014, revelou um complexo esquema de corrupção dentro da Petrobras envolvendo as empreiteiras mais poderosas do país, que pagavam comissões distribuídas a parlamentares da coalizão no poder.

-- 4 de março --

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) é interrogado pela Polícia Federal, que revistou seu apartamento em São Paulo, a casa de vários colaboradores e as instalações do Instituto Lula.

Esta operação aconteceu um dia depois de uma avalanche de novas acusações de corrupção, incluindo a divulgação de declarações da delação premiada do senador Delcídio Amaral envolvendo Lula e a presidente Dilma Rousseff.

Lula se defende com veemência das acusações durante uma coletiva, anuncia que vai lutar até o fim e convoca seus partidários a saírem às ruas.

-- 7 de março --

Lula declara sua intenção de disputar a Presidência em 2018 e classifica de canalhice homérica as acusações contra ele.

Dilma, que enfrenta a ameaça de um processo de impeachment por suposta maquiagem das contas públicas, acusa a oposição de querer antecipar as eleições de 2018.

-- 10 de março --

O Ministério Público de São Paulo denuncia o ex-presidente por ocultação de patrimônio, já que suspeita que é dono de um elegante apartamento no Guarujá, o que Lula nega categoricamente. Os promotores consideram que Lula violou a ordem pública ao convocar seus seguidores a sair às ruas para denunciar a perseguição judicial da qual é alvo.

-- 11 de março -

Dilma descarta renunciar e convida Lula, fundador do Partido dos Trabalhadores (PT) a se integrar ao governo.

-- 12 de março -

O PMDB, um pilar chave da coalizão parlamentar, deu como prazo 30 dias para decidir se fechar a porta da maioria, o que seria fatal para Dilma. Se a presidente for destituída em um impeachment, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) assumiria o poder até as eleições de 2018.

-- 13 de março --

Três milhões de pessoas, segundo a polícia, e cerca de seis milhões, segundo os organizadores, saíram às ruas de todo o país ao grito de Fora Dilma em um clima de forte descontentamento social pela recessão econômica e pela fraude na Petrobras.

-- 14 de março --

A juíza de São Paulo que deveria se pronunciar sobre um pedido de prisão preventiva contra o ex-presidente por suposta lavagem de dinheiro transfere o caso ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo caso de corrupção na Petrobras. Assim, o juiz centraliza as duas investigações contra Lula.

-- 15 de março --

Quando Lula chega a Brasília para discutir sua entrada no governo, a justiça torna pública a delação de um senador do PT, acusando o ministro Aloízio Mercadante de tentar ganhar seu silêncio para proteger o governo de Dilma Rousseff. Também acusa Lula, Dilma, o vice-presidente Michel Temer e o líder da oposição Aécio Neves (PSDB).

-- 16 de março --

Lula é nomeado ministro de Estado, chefe da Casa Civil, cargo que o livra da ameaça de ser detido pelo juiz Sérgio Moro. Os ministros só podem responder penalmente por seus atos ante o Supremo Tribunal Federal.

Manifestações de indignação nas ruas e no Congresso após a divulgação, pelo juiz Sérgio Moro, da gravação de uma conversa telefônica entre Dilma e Lula sugerindo que a nomeação seria para livrá-lo da prisão.

-- 17 de março --

Lula é investido como chefe da Casa Civil, mas um juiz suspende, em caráter liminar, sua posse.

Deputados iniciam o processo de impeachment contra a presidente Dilma, ao eleger uma comissão especial encarregada de preparar um primeiro informe que será submetido ao plenário da Câmara.

Em plena crise política, a Bolsa de São Paulo fecha em alta de 6,6%, o maior aumento em um dia em sete anos.

-- 18 de março --

Um tribunal do Rio de Janeiro derruba liminar que suspendia a posse de Lula como chefe da Casa Civil, liberando o ex-presidente a assumir o cargo do gabinete de Dilma.

A Advocacia-geral da União (AGU) pede que o Supremo Tribunal Federal (STF), defina um marco legal que unifique juridicamente outras liminares semelhantes, apresentadas em instâncias inferiores.

O juiz Gilmar Mendes, do STF, acata liminar apresentada pelos partidos da oposição PSDB e PPS para suspender a nomeação de Lula e mantém competência da justiça de primeira instância para analisar os processos criminais contra ele. Com isto, as investigações sobre Lula voltam a ser de competência do juiz Sérgio Moro.

A decisão é passível de recurso.

-- 19 de março --

Manifestações provocadas pelo PT e sindicatos em defesa da democracia reúnem 267.000 pessoas em 55 cidades.

-- 22 de março --

Dilma afirma que não vai renunciar e denuncia uma tentativa de golpe de Estado institucional, sem bases legais.

-- 23 de março --

O juiz Teori Zavascki critica a divulgação das gravações de conversas por telefone entre Lula e autoridades com foro privilegiado como Dilma, e ordena ao juiz Sérgio Moro que entregue todas as investigações sobre Lula, para determinar quais podem ser investigadas pela justiça comum.

-- 29 de março --

A direção do PMDB oficializa sua ruptura com o governo Dilma, que tenta evitar uma debandada de outras forças aliadas.

A Câmara de Deputados pode votar o parecer da Comissão de impeachment até meados de abril.

-- 6 de abril --

O relator da Comissão parlamentar se posiciona a favor da abertura do processo de impeachment contra Dilma no Congresso.

-- 7 de abril --

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recomenda a anulação da nomeação de Lula como chefe da Casa Civil.

-- 11 de abril --

A Comissão parlamentar aprova a recomendação de seu relator favorável ao processo de impeachment.

-- 14 de abril --

O Supremo Tribunal Federal rejeita recursos da Advocacia-Geral da União e de deputados do Partido dos Trabalhadores para paralisar o processo de impeachment.

A decisão foi adotada pela maioria dos ministros do Supremo, abrindo caminho para a votação no domingo, na Câmara dos Deputados, que decidirá sobre o julgamento ou não da presidente no Senado federal.

A AGU tinha apresentado a ação argumentando que o processo de impeachment estava repleto de vícios que violam os princípios do devido processo legal.

-- 15 de abril --

A Câmara dos Deputados inicia o primeiro de três dias de debates sobre o pedido de abertura do processo de impeachment.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212