Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tensão entre Irã e Arábia Saudita afunda acordo para congelar produção de petróleo - Jornal Brasil em Folhas
Tensão entre Irã e Arábia Saudita afunda acordo para congelar produção de petróleo


Um acordo para congelar os níveis de produção de petróleo entre países da Opep e não membros da entidade foi desmantelado neste domingo depois que a Arábia Saudita exigiu a participação do Irã, apesar dos apelos para que Riad mantivesse o acordo e ajudasse a levantar os preços do petróleo.

O impasse deve reviver o temor da indústria de petróleo de que os grandes produtores embarquem novamente em uma batalha por fatia de mercado, especialmente depois que a Arábia Saudita ameaçou aumentar a produção de forma abrupta caso o acordo de congelamento não fosse selado.

Cerca de 18 países, incluindo a Rússia, que não faz parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), se reuniram na capital do Catar, Doha, para selar o acordo --que estava em preparação desde fevereiro-- para estabilizar a produção aos níveis de janeiro até outubro de 2016.

Mas a Arábia Saudita, líder de fato da Opep, disse aos participantes que gostaria que todos os membros da organização participassem do congelamento, incluindo o Irã, que estava de fora do acordo.

Teerã se recusou a estabilizar a produção, pois almeja retomar fatia de mercado depois que as sanções do Ocidente contra o país foram suspensas em janeiro.

Após cinco horas de discussão ríspida acerca da preparação de um comunicado -entre Arábia Saudita e Rússia- delegados e ministros anunciaram que o acordo não seria fechado.

Nós precisamos de mais tempo para chegar a um acordo entre todos os membros da Opep para que os principais produtores congelem a produção, o que pode ocorrer até junho, afirmou uma fonte da Opep.

O fracasso do acordo pode frear a recente recuperação nos preços do petróleo.

Sem o acordo de hoje, a confiança dos mercados na capacidade da Opep em alcançar qualquer instrumento de equilíbrio na oferta vai diminuir, e ela já era certamente baixa para os mercados de petróleo nos quais os preços se mantinham estáveis esperando que o acordo fosse selado, disse o analista Abhishek Deshpande, da Natixis.

O petróleo Brent subiu para cerca de 45 dólares o barril, um acréscimo de 60 por cento em relação às baixas de janeiro, devido a um onda de otimismo de que o acordo iria ajudar a resolver o excesso de oferta que fez os valores despencarem desde meados de 2014.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212