Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mais de 4 bilhões de pessoas continuam sem acesso à internet no mundo - Jornal Brasil em Folhas
Mais de 4 bilhões de pessoas continuam sem acesso à internet no mundo


Mais de 4 bilhões de pessoas continuam sem acesso à internet no mundo, criando uma exclusão digital que também se deve ao fato de que as novas tecnologias são mais aproveitadas nos países ricos, garantiu o Banco Mundial (BM) nesta quarta-feira.

A Índia tem o maior número de pessoas sem acesso à internet, com 1,1 bilhão, seguida da China (755 milhões) e Indonésia (213 milhões), segundo um relatório do organismo.

Ao todo, 4,2 bilhões de indivíduos não têm acesso a esta ferramenta, cerca de 60% da população mundial.

A exclusão é ainda mais impactante com relação à internet de banda larga, serviço do qual se beneficiam 1,1 bilhão de pessoas, que representam 15% da população do planeta.

Devemos evitar criar uma nova classe socialmente marginalizada, alertou o economista chefe do BM, Kaushik Basu, citado no relatório sobre os dividendos digitais.

Embora o BM tenha observado que os mais desfavorecidos também tenham se beneficiado da revolução tecnológica.

Em 20% dos lares mais pobres do planeta, cerca de 7 em cada 10 pessoas possuem um telefone celular, informa o relatório.

De fato, estes lares têm mais possibilidades de ter acesso a aparelhos de telefone celular do que a banheiros ou água potável, ressaltou o presidente do BM, Jim Yong Kim.

Por outro lado, o número de internautas triplicou em dez anos, passando de 1 bilhão em 2005 para 3,2 bilhões no final de 2015.

Mas os benefícios econômicos da revolução digital são menores do que o esperado nos países de baixa renda, lamentou o Banco Mundial.

Os efeitos da tecnologia na produtividade mundial, a melhoria das oportunidades para os pobres e a classe média (...) não estiveram à altura do esperado, informou o relatório.

Os novos empregos criados pela revolução tecnológica requerem altas capacidades e limitam as funções de rotina, o que força muitos trabalhadores a rivalizar pelos empregos de baixa remuneração.

Se quisermos que (a tecnologia digital) beneficie a todos e em todas as partes, é preciso reduzir a brecha digital que persiste, em particular em matéria de acesso à internet, afirmou o relatório.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212