Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Vendas do comércio varejista caem 6,1% no Rio - Jornal Brasil em Folhas
Vendas do comércio varejista caem 6,1% no Rio


As vendas do comércio varejista do Rio de Janeiro caíram 6,1% em março deste ano, comparativamente a março de 2015, segundo o Termômetro de Vendas divulgado hoje (26) pelo Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas - CDLRio. É o pior resultado desde março de 2006 quando a queda chegou a 10,6%.

Com o resultado de março, as vendas do comércio varejista do Rio fecharam os primeiros três meses do ano (janeiro a março) com queda acumulada de 9% frente ao mesmo período do ano passado, também o pior resultado para o mês desde 2006.

Para o presidente da CDLRio, Aldo Gonçalves, a pesquisa, que ouviu cerca de 500 estabelecimentos varejistas, reflete a crise econômica que vem afetando a atividade produtiva.

“O desempenho foi fraco, mesmo considerando que o fato de que março não costuma ser um mês de grandes vendas. Vem depois das férias e do carnaval, quando as pessoas investem muito em lazer, explicou.

Causas

Gonçalves avaliou, ainda, que a elevação dos juros, o desemprego e a inflação em patamar elevado podem ser considerados como os principais fatores para os resultados negativos do primeiro semestre e do mês de março.

“Além disso, outro fator que influenciou no resultado do mês foi a desaceleração nas vendas das lojas do centro da cidade [em obras de modernização e urbanização]. Por tudo isso, o comércio está se empenhando com ações para melhorar o desempenho das vendas para o dia das mães, a segunda data mais importante depois do natal, com o lançamento de promoções, descontos, sistemas de crédito diferenciados e diversificação de produtos, esperando um crescimento das vendas de 2%”, ressaltou.

A queda de 6,1% em março, frente a março de 2015, reflete resultados negativos em todos os setores do ramo mole (bens não duráveis) e do ramo duro (bens duráveis): confecções caíram 4,1%; tecidos (-7,7%); calçados (-7,3%); óticas (-12,3%); móveis (-7,9%); jóias (-6,9%); e eletrodomésticos (-6,5%).

Outra constatação da pesquisa do Clube dos Diretores Lojistas do Rio é de que, mesmo tendo caído 7,4% frente a março de 2015, as vendas à vista foram as preferidas pelos consumidores.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212