Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Opep diz que equilíbrio de preços do petróleo começa este ano - Jornal Brasil em Folhas
Opep diz que equilíbrio de preços do petróleo começa este ano


A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) anunciou hoje (18) que espera um processo de reequilíbrio do preço do petróleo a partir deste ano, porque a acentuada queda vai fazer com que a produção dos concorrentes, como os Estados Unidos, comece a cair.

Segundo a Opep, a produção dos países fora do cartel teve sete anos de crescimento fenomenal e agora se espera um abrandamento. O petróleo continua a ser vendido abaixo dos US$ 30 o barril, sendo que no início de 2014 esteve a US$ 100 o barril.

A análise indica que o ano de 2016 será orientado para a oferta, em que o processo de reequilíbrio começa, diz a Opep em seu relatório mensal de janeiro.

Depois de sete anos consecutivos de expressivo crescimento da oferta fora da Opep, muitas vezes superior a 2 milhões de barris por dia, em 2016 está previsto um declínio da produção com efeitos profundos no corte do Capex (despesas de capital), acrescenta o documento.

O relatório indica que a produção fora da Opep nos próximos seis meses será sensível à baixa enorme dos preços do petróleo e, por isso, o seu ponto de equilíbrio não será capaz de tolerar as condições de preço.

A previsão da organização para o crescimento global da procura de petróleo este ano foi ajustada ligeiramente para cima, para 1,26 milhão de barris por dia, para chegar a 94,17 milhões.

Os preços do petróleo, que estão cotados hoje abaixo dos US$ 28 dólares o barril, caíram acentuadamente nos últimos meses devido à desaceleração da economia chinesa e à perspectiva de o Irã voltar ao mercado após o acordo sobre os ensaios nucleares em julho passado.

O país agora está livre para começar a produzir, no momento em que há um excesso de oferta, o que - juntamente com a fraca procura e uma desaceleração da economia global - reduziu os preços em cerca de três quartos desde meados de 2014.

No passado, a Opep vinha respondendo às quedas de preços reduzindo a produção, mas desta vez a organização optou por manter a operação.

Impulsionada pela Arábia Saudita, a organização quer manter a cota e retirar do mercado os Estados Unidos que, com o seu petróleo de xisto, precisam de preço mais elevado para ganhar dinheiro.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212