Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Luta e protagonismo de mulheres é tema de programação cultural em SP - Jornal Brasil em Folhas
Luta e protagonismo de mulheres é tema de programação cultural em SP


As mulheres e suas questões, tanto na sociedade como na arte, são o foco da programação Arte – Substantivo Feminino, que começou na última sexta-feira (15), no Sesc Belenzinho, capital paulista, e segue até o mês de abril, com espetáculos de teatro, debates e oficinas. O projeto apresenta situações de luta, opressão e protagonismo da mulher por meio de diferentes linguagens.

A estreia da peça teatral Guerrilheiras ou para a Terra não há Desaparecidos, da diretora Georgette Fadel, abriu o evento ontem (15), apresentando os acontecimentos da Guerrilha do Araguaia, ocorrida na região amazônica no período de 1967 a 1974, durante a ditadura militar. O conflito armado resultou na morte de doze mulheres. Sobre o tema, haverá debates com a diretora do espetáculo.

Um dos objetivos do trabalho é mostrar o que significa ser mulher numa guerrilha e, para além disso, apresentar a mulher como porta-voz de grandes conflitos. A idealizadora e atriz da peça, Gabriela Carneiro da Cunha, disse que historicamente é possível perceber que aqueles que contam as histórias de conflitos são homens na maioria. “Na peça, quisemos dar o primeiro plano para as mulheres para que elas pudessem nos contar o que foi esse conflito armado, o que foi viver no meio da selva amazônica e passar nove meses sozinha e perdida no meio da selva”, explicou.

A perspectiva da mulher na Guerrilha do Araguaia permitiu que o grupo revelasse histórias que não existiriam em um recorte masculino. Um exemplo disso é a história das guerrilheiras responsáveis por partos de mulheres moradoras da região. “As mulheres sofriam muito nesse momento [do parto] porque a assistência médica lá era precária e muitas das guerrilheiras foram responsáveis pelos partos e conseguiram manter as mães e seus bebês vivos”, contou a idealizadora da peça.

Durante o processo de pesquisa para a redação da peça, camponesas da região onde ocorreu a guerrilha disseram que as guerrilheiras as ensinaram o que era o direito da mulher. “Tivemos contato com mulheres que viveram um processo de empoderamento enorme a partir do contato com essas guerrilheiras vindas das grandes cidades”, disse Cunha.

Ainda no teatro, o projeto Arte – Substantivo Feminino apresenta o espetáculo Carne, da Kiwi Companhia de Teatro, que é inspirado no teatro documentário e mostra um panorama da opressão de gênero e situações de violência contras as mulheres no Brasil. A estrreia será no dia 26 de fevereiro. “[O trabalho] foi feito a partir das técnicas do teatro documentário, utilizadas há muitos anos pela companhia. Isso significa que, para o trabalho cênico, usamos material e documentos da realidade”, explicou Fernanda Azevedo, atriz e pesquisadora da companhia.

Para ela, é importante discutir não só o papel das mulheres, mas as diversas violências que sofrem na sociedade atual. A peça trata ainda das relações entre patriarcado e capitalismo e como isso se reflete na questão da mulher. “A opressão das mulheres, o patriarcado são anteriores ao capitalismo, mas [a peça vai discutir] como isso ganha uma nova forma depois da ascensão do sistema capitalista”, acrescentou. Além disso, o espetáculo conta com músicas e projeção de vídeo, o que torna o trabalho mais dinâmico e atraente, segundo a atriz.

Fernanda destaca a importância de um projeto como o Arte – Substantivo Feminino porque acredita que as mulheres sempre estiveram à margem da história e também da cultura. Grandes escritoras, artistas plásticas, do século XIX para trás, ficaram apagadas e esquecidas na história, segundo ela.

“Nas últimas décadas, algumas delas começaram a despontar. E elas despontam não porque de repente elas aparecem, mas porque elas vêm de uma série de influências de outras mulheres que antigamente não apareciam”, explicou. “A arte não pode ter o olhar de só uma parte da população mundial e as mulheres estão produzindo pensamento há muitos anos”, completou a atriz.

A programação de espetáculos, oficinas e debates está no site do Sesc Belenzinho.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212