Aeroporto de Betim ficará pronto em meados de 2019

Redação Redação

Em meados do ano que vem, Betim terá seu próprio aeroporto. As obras do Aeródromo Inhotim, que serão totalmente custeadas pela iniciativa privada, começaram nessa quinta-feira (22), no distrito industrial Bandeirinhas, a 4 km do centro de Betim e a 29 km do centro de Belo Horizonte. “Trabalhamos com a data de entrega para agosto do ano que vem”, anunciou o executivo Luiz Tito, presidente da Orion Participações, empresa criada para coordenar o projeto.

O modelo de negócio será autossustentável. O gestor do fundo de investimentos, Marcos Cadar, explica que os recursos para bancar a primeira parte do empreendimento estão totalmente garantidos. São R$ 160 milhões ao todo, sendo R$ 45 milhões para terraplenagem e pavimentação e o restante para infraestrutura, terminal de passageiros e demais equipamentos.

“Vamos lançar um condomínio de galpões voltados para a indústria aeronáutica e também para outras que se interessarem, além de 24 hangares. À medida que eles forem sendo vendidos, o dinheiro vai financiar o restante do projeto”, explica Cadar.

Veja como será o terminal de Betim AQUI.

O prefeito de Betim, Vittorio Medioli, ressalta que a prefeitura não colocou nem um centavo, mas desenhou o projeto e está fornecendo todo o apoio. Na avaliação de Vittorio, os impactos positivos para a economia vão extrapolar a cidade e atingir toda a região, com atração de novas empresas e geração de empregos. Só a fase de construção deve gerar 640 empregos diretos e 800 indiretos. E o aeródromo tem potencial para gerar 21 mil postos de trabalho.

“Betim certamente será a primeira a sentir a onda de crescimento. Mas o aeródromo já nasce com potencial para se expandir no futuro e atrair, sobretudo, indústrias de elevado valor agregado, como alta tecnologia e farmacêutica”, afirma o prefeito. Ele lembra que o terminal também atenderá cidades do entorno, como Mário Campos, Sarzedo, Ibirité, Igarapé, São Joaquim de Bicas, Contagem, Esmeraldas e Itatiauçu.

O presidente da Orion ressalta que o Aeródromo Inhotim nascerá voltado para a aviação executiva. Entretanto, nada impede que, no futuro, existam voos de maior porte. “É um desejo nosso, mas quem vai orientar é o mercado. A pista, de 1.800 m, é maior do que a do Santos Dumont (RJ) e a de Congonhas (SP). E é quase do tamanho da pista da Pampulha”, destaca Tito.

O prefeito ressalta que o aeródromo não competirá com Confins. “É outro tipo de aviação. Aqui, o foco será a aviação executiva. Confins é um aeroporto internacional”, afirma Vittorio.

Homenagem. O nome do aeródromo é uma homenagem ao museu de arte contemporânea em Brumadinho. A cerca de 30 km do aeroporto, Inhotim recebe 350 mil visitantes por ano.
– BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 53202

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies