Eleições na Venezuela serão lição para Santos, Trump e Rajoy, diz Maduro

Redação Redação

O presidente da Venezuela e candidato à reeleição, Nicolás Maduro, previu nesta sexta-feira (2) uma participação esmagadora nas eleições de 20 de maio e disse que serão uma lição para os países que as desconhecem, como Colômbia, Estados Unidos e Espanha.

Tenho a certeza absoluta de que os números da participação eleitoral vão impressionar o mundo e serão uma lição para os (Juan Manuel) Santos, os (Donald) Trump e os (Mariano) Rajoy, declarou Maduro após assinar um acordo de garantias eleitorais com outros dois candidatos.

O presidente também atacou seu contraparte peruano, Pedro Pablo Kuczynski, um dos líderes do Grupo de Lima, bloco de 14 países latino-americanos criado diante da falta de consenso para adotar resoluções sobre a Venezuela na Organização dos Estados Americanos (OEA).

Me dá nojo a forma de agir, subordinada ao imperialismo, de Juan Manuel Santos e Pedro Pablo Kuczynski, acrescentou em coletiva de imprensa.

Maduro considera que a aliança opositora não participa por ordem dos Estados Unidos e porque perderá as eleições, e disse ter certeza de que obterá uma votação recorde.

Põe como meta 10 milhões de votos em um universo de 20,4 milhões de eleitores.

Querem tomar o poder político na Venezuela e como vão fazer? (…) Com um golpe de Estado? – questionou o presidente, que chamou a abstenção como um salto ao vazio.

Diante dos signatários do acordo, Tibisay Lucena, presidente do poder eleitoral, assegurou que não haverá pressão, sabotagem interna e muito menos poder estrangeiro que seja capaz de submeter a vontade democrática do povo.
– BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 53979

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies