Justiça nega posse de separatista preso na Catalunha

Redação Redação

A Justiça negou nesta sexta-feira permissão ao separatista preso Jordi Sánchez para ir ao Parlamento catalão para ser eleito presidente, o que cria um novo bloqueio na situação política da região.

O ex-presidente catalão Carles Puigdemont, por sua vez, não descarta novas eleições.

Os deputados catalães pretendiam debater na segunda-feira a posse de Jordi Sánchez, designado por Puigdemont como seu sucessor, mas esse encontro agora parece muito pouco provável ante a decisão tomada pelo Supremo Tribunal.

Embora os independentistas somem maioria no Parlamento, Sánchez não é apoiado por uma pequena formação secessionista, colocando em dúvida se sua candidatura irá conseguir superar os votos contra dos partidos não separatistas.

De toda forma, a lista independentista que levou mais votos nas eleições de 21 de dezembro, Juntos pela Catalunha, defendeu que Sánchez continua sendo o candidato à posse, declarou seu porta-voz, Eduard Pujol.

Como ex-presidente da influente associação separatista ANC, Jordi Sánchez, de 53 anos, está em prisão preventiva perto de Madri por suposta sedição ao convocar uma manifestação em setembro.

A intervenção judicial já freou em janeiro a posse de Puigdemont, afastado pelo governo de Madri após a fracassada declaração de independência de 27 de outubro e atualmente residente na Bélgica.

Puigdemont desistiu de ser presidente e designou Sánchez como seu sucessor. Se o bloqueio persistir, existe o risco de uma repetição eleitoral.

Não é uma tragédia que sejam realizadas novas eleições, declarou Puigdemont em uma entrevista ao jornal caal diario nacionalista catalán El Punt Avui.
– BRASIL EM FOLHAS COM AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS – I3D 54807

A BRASIL EM FOLHAS utiliza cookies e tecnologias semelhantes, como explicado em nossa Política de Privacidade, para recomendar conteúdo e publicidade. Ao navegar por nosso conteúdo, o usuário aceita tais condições. Aceitar Consulte mais informação

Política de Privacidade e Cookies