O Brasil deu mais um passo para aderir à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Foi aprovado instrumento legal no quesito considerações de segurança para aplicação de organismos de DNA recombinante na agricultura, indústria e meio ambiente.

Com a recomendação, o país já cumpriu, até o momento, 94 dos 245 instrumentos exigidos para a entrada na instituição, ou seja, 38% do total dos requisitos. O Brasil é, atualmente, o país que atende ao maior número de requisitos para a entrada na organização internacional, em comparação às nações que pleiteiam uma vaga.

OCDE
A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reúne, atualmente, 38 países desenvolvidos. O ingresso do Brasil no grupo é articulado pela Casa Civil da Presidência da República e está vinculado à retomada do desenvolvimento socioeconômico no período pós-crise. A adesão do Brasil à OCDE permitirá a melhoria do ambiente de negócios, mais investimentos e desenvolvimento sustentável.

O Governo Federal lançou a Estratégia Federal de Desenvolvimento para o Brasil, de 2020 a 2031, que orienta a retomada econômica e visa a melhor a colocação do país em indicadores internacionais, em relação às demais nações do mundo. Sendo essa uma das premissas para o ingresso à OCDE, a intenção é acelerar todas as dimensões do desenvolvimento sustentável, estabelecido como caminho da prosperidade. A estratégia está organizada em cinco eixos: econômico, institucional, infraestrutura, ambiental e social.



Com informações da Casa Civil



– Ag. Brasil – YWD 12785