O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Habitação (Agehab), e Caixa Econômica Federal entregaram no sábado (16/01) mais 34 moradias no Residencial João Paulo II, na região norte de Goiânia. As entregas foram feitas de forma individual, com a presença do presidente da Agehab, Lucas Fernandes, que representou o governador Ronaldo Caiado, e a Diretoria Executiva da agência.

Para a costureira Eva Silva Gomes, de 41 anos, a moradia recebida no Residencial João Paulo II representa a grande luta de sua vida. “Eu espero por esse dia desde que minha filha mais velha tinha 6 anos. Hoje, tem 22 anos e já me deu um neto de 3. A filha caçula nem tinha nascido. Mas valeu a pena. Consegui”, revela. Ela conta que no aluguel não podia ter nada, porque toda a mobília estragava nas mudanças constantes. “Agora, quero investir todo o dinheiro que gastava com aluguel na transformação dessa casa em um lar aconchegante, cheio de amor para minha família viver”, afirma Eva, ao lado do marido, o motorista Wagner Batista de Oliveira, de 40 anos, a filha Giovana, de 13, e o neto Cauã.

Com um total de 230 moradias, a segunda etapa do João Paulo II está sendo entregue com todos os serviços de infraestrutura (galerias pluviais, pavimentação, rede elétrica, iluminação pública e rede de água), que também são executados pela Agehab. São 22 mil metros quadrados de asfalto ao todo.

Lucas Fernandes lembra que o governador Ronaldo Caiado entregou as 93 primeiras unidades da segunda etapa em agosto do ano passado. Ele informa que as 103 moradias restantes estão em fase final de execução, com previsão de entrega ainda neste semestre, assim como toda a obra de pavimentação.

O investimento estadual foi de R$ 10 milhões na construção desta segunda etapa do João Paulo II, que teve aporte de outros R$ 15,6 milhões da Caixa. Inclusive o valor de R$ 5 mil referente ao lote foi destinado pelo Governo de Goiás para ajudar as famílias na composição do financiamento, reduzindo o valor do montante a ser financiado e das parcelas. Além dos investimentos para a entrega do residencial com a infraestrutura completa, a Agehab fez parceria com a Prefeitura de Goiânia para os serviços de construção das galerias.

Lucas Fernandes explica que a atual gestão trabalhou de forma incansável para retomar as obras, desde o primeiro dia do Governo Ronaldo Caiado. “A paralisação já se arrastava por três anos, causando muito sofrimento às famílias. Algumas tinham perdido a esperança, devido a tantos problemas que foram surgindo. O Governo do Estado fez tudo ao seu alcance para que essas famílias pudessem ter seu direito garantido”, cita o presidente da Agehab. Segundo ele, foi liberado um valor superior ao que é destinado para a habitação de interesse social em Goiás, totalizando R$ 32 mil por moradia. Esse valor geralmente é de até R$ 20 mil.

A auxiliar de cozinha Francineide Soares Rodrigues, de 53 anos, e o filho Eduardo Rodrigues Soares, 29 anos, soldador, colocaram fim a uma espera de vinte anos. “Estou anestesiada. Sempre tive fé que esse dia chegaria. Agora eu quero crescer, melhorar de vida, cuidar muito bem dessa casa”, conta Francineide. Segundo ela, tem gente que recebe e não cuida da casa, não valoriza. “Essa casa é um privilégio. Quero agradecer ao governador Ronaldo Caiado. Depois de tanto tempo esperando, foi na gestão dele que tudo andou. Estou muito agradecida por tudo”, diz. Ela chegou a pagar R$ 2 mil na época para a associação que iniciou as obras.

Com mais esta entrega, o Governo do Estado chega a 1.539 famílias beneficiadas com moradia própria pela atual gestão em Goiânia. Em todo o Estado, já são mais de 4 mil unidades habitacionais entregues pelo governador Ronaldo Caiado nos municípios de Nova Veneza, Bonfinópolis, Barro Alto, Valparaíso, Anápolis, Goiânia, Guarinos, Luziânia, Cidade Ocidental, Porangatu, Planaltina, Mozarlândia, Córrego do Ouro e Santo Antônio de Goiás.

Obra problemática

O empreendimento denominado Residencial João Paulo II foi iniciado pela cooperativa Sociedade Habitacional Comunitária (SHC) nos anos 2000. Por falta de recursos e mão-de-obra especializada, não teve continuidade. Em 2014, 230 famílias assinaram contrato para a segunda etapa do Residencial João Paulo II, mas as obras físicas e de infraestrutura não avançaram.

O governador Ronaldo Caiado encontrou no início de sua gestão as obras paralisadas mais uma vez e determinou celeridade da construtora, com liberação dos recursos complementares para sua conclusão. As obras foram retomadas em março de 2019.