Eduardo Prado reivindica que artesanato com capim do brejo vire Patrimônio Cultural

0 Shares
0
0
0
0

O deputado Delegado Eduardo Prado (DC) visa, com o projeto de Lei de nº 5980/21, reconhecer o artesanato produzido com capim do brejo, no município de Serranópolis, como patrimônio cultural imaterial do estado de Goiás.
O autor salienta que, de acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), “o patrimônio cultural de um povo é formado pelo conjunto dos saberes, fazeres, expressões, práticas e seus produtos, que remetem à história, à memória e à identidade desse povo”.
Deste modo, justifica que o artesanato produzido com capim do brejo, em Serranópolis, é conhecido pela população da região, de forma encantadora, há gerações, na cobertura de casas e confecção de objetos como balaios e cestos. “Os moradores do município afirmam que, quando não se tinha plástico, nem papel, era do capim, abundante nas áreas alagadas, que se fazia o necessário”, pondera o legislador.
A propositura destaca, ainda, o processo de produção do artesanato, realizado com a colheita do capim à mão, retirado da raiz da terra preta e úmida. Posteriormente, o material é posto para secar por três dias, além de passar por limpeza e retirada de partes que não serão utilizadas. 
“No início, o algodão colhido nos quintais e fiado na roça era encerado com cera de abelha e utilizado para unir em pontos os feixes da fibra fina e esverdeada, o que conferia resistência à peça”, enfatiza a matéria. Atualmente, a linha de algodão industrializada é utilizada para tal confecção.
Diante das elucidações, o autor demonstra, entretanto, a importância de difundir o conhecimento, preservar a memória das raízes culturais regionais e fomentar as atividades que valorizam as tradições locais. A proposta foi publicada pela Diretoria Parlamentar e encaminhada à Secretaria de Apoio Legislativo.

0 Shares
You May Also Like