Sandrão RZO apoia ação social de inserção da arte das ruas nas escolas

0 Shares
0
0
0
0

A nova promessa do Trap e do RNB, Gusta, 20, desenvolveu durante o primeiro semestre de 2021 um projeto para a sua faculdade. Com uma proposta consistente, o artista viu que sua iniciativa poderia ser bem maior do que apenas um trabalho universitário.

Antes mesmo de apresentar o que havia criado para o seu professor, Gusta mostrou o Projeto Ruart para o ícone do Rap nacional, Sandrão RZO, que prontamente ofereceu seu apoio ao projeto.

“Vejo que é um projeto transparente, com embasamento e que vem de jovens universitários, onde há grande esperança concentrada, uma estrutura de critérios transparentes, que gera confiança em todos”, fala Sandrão.

O Ruart tem como principal objetivo inserir as artes das ruas nas escolas e acabar com o preconceito existente, revelando que elas podem ser ferramentas desenvolvedoras das crianças e adolescentes.

“Queremos mostrar que o Hip Hop, a rima e o grafite, por exemplo, podem desenvolver as crianças e mostrar que podemos usar estas artes para desenvolver o interesse pela escola e pelos estudos, criando a vivência das ruas, mesmo para aqueles que não vivem isso”, comenta Gusta.

“É muito importante que as escolas tenham o olhar voltado para as artes das ruas, como o Hip Hop, por exemplo, que carrega consigo, em seus elementos, as artes plásticas, a dança e a música. Sem dúvida, sempre foi um movimento cultural que trouxe as pessoas das ruas”, diz RZO.

A atuação do projeto atende, neste primeiro momento, crianças e adolescentes de escolas, mas Gusta já tem expectativas maiores. “Quero ampliar o Ruart para todos os lugares que puder ser implantado, como em comunidades e para diversas idades”, projeta o artista.

Segundo ele, por meio das artes de rua, como o skate, o grafite e o hip hop, os alunos podem ter mais interesse pela escola ao encontrarem uma forma diferente de aprender. Além disso, auxilia os alunos a terem uma visão diferente sobre o mundo, em um contexto geral.

“Em tese, as escolas não preparam os alunos para uma visão de mundo. E quando você coloca as ruas nisso, mostra para as crianças e adolescentes as vivências e realidades de muitas pessoas, para que eles possam se preparar para a vida fora da escola, como para o trabalho, para a luta diária em sobreviver e buscar o que se quer. A ideia é mostrar para eles que podem ganhar espaço onde eles quiserem”, complementa Gusta.

Sandrão finaliza dizendo que o projeto vai muito além de inserção nas escolas. “Acredito muito no poder da informação e é isso que o Hip Hop faz. As pessoas ficam sem esperanças com muita coisa que acontece. Cada vez recebemos mais informações controladas e menos acesso às universidades gratuitas, por exemplo. E o projeto vem para ajudar as crianças e adolescentes a tirarem a venda dos olhos e enxergarem seu potencial, independentemente de qualquer situação externa”, finaliza.

0 Shares
You May Also Like