Balé Macunaíma estreia no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

0 Shares
0
0
0
0
0
0

O balé Macunaíma estreia hoje (22), às 19h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, localizado na região central da capital fluminense. Baseada no livro homônimo de Mário de Andrade, a obra integra o calendário de comemorações do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922 e tem classificação de 14 anos.

A sessão de estreia é voltada para as escolas públicas. “Nós vamos levar algumas escolas públicas para assistir, crianças e jovens para terem contato com o Theatro Municipal e com essa obra inédita que marca os 100 anos da Semana de Arte Moderna”, disse Tamoio Athaíde Marcondes, presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte). Nos dias 23 e 24, haverá sessões às 19h para o público e no domingo (25), às 17h. Os ingressos têm preços de R$ 20 a R$ 80 e podem ser adquiridos na bilheteria do teatro.

Os ensaios foram iniciados em junho. São quase 50 bailarinos trabalhando no espetáculo multimídia de uma hora de duração, com direção de imagem e fotografia de Igor Correa e supervisão artística de Hélio Bejani e Jorge Texeira. A concepção coreográfica de Carlos Laerte desconstrói os corpos dos bailarinos clássicos e traz a contemporaneidade da dança brasileira. A trilha sonora foi especialmente composta para a obra pelo compositor Ronaldo Miranda, e será executada durante o espetáculo pela Orquestra Sinfônica e pelo balé do Theatro Municipal, com coreografia de Carlos Laerte. 

Notícias relacionadas:

CineBH homenageia atriz de Marte Um, filme indicado para o Oscar.Cinemateca Brasileira recebe repescagem do Festival Varilux de cinema .Começa hoje 1º festival de literatura indígena em Porto Seguro.Os ensaios foram iniciados em junho. São quase 50 bailarinos trabalhando no espetáculo multimídia de uma hora de duração, com direção de imagem e fotografia de Igor Correa e supervisão artística de Hélio Bejani e Jorge Texeira. A concepção coreográfica de Carlos Laerte desconstrói os corpos dos bailarinos clássicos e traz a contemporaneidade da dança brasileira. A trilha sonora foi especialmente composta para a obra pelo compositor Ronaldo Miranda, e será executada durante o espetáculo pela Orquestra Sinfônica e pelo balé do Theatro Municipal, com coreografia de Carlos Laerte. 

Emancipação

Marcondes ressaltou que, este ano, o Brasil tem comemorações muito pertinentes: o bicentenário da Independência, que marca a emancipação do país, e os 100 anos da Semana da Arte Moderna, que comemora a emancipação artística, com todos os ícones que fazem parte dessa Semana de 1922, como o maestro Villa-Lobos, os escritores Mário de Andrade e Manuel Bandeira,  e o pintor Di Cavalcanti”. 

O presidente da Funarte diz também que o balé Macunaíma apresenta algumas peculiaridades em relação à entidade, que trabalha de maneira muito forte as artes integradas. “Esse balé, especificamente, é brilhante porque é uma junção de uma série de linguagens: a orquestra, com a linguagem da música; a própria dramaturgia, com encenações da dança do corpo de balé; as artes visuais”. Marcondes chamou a atenção para os efeitos visuais que o balé apresenta, com a transição do que é real, que são os bailarinos no palco, com o que está sendo transmitido na tela.

Além disso, a obra apresenta algo em que a Funarte tem trabalhado durante os dois últimos anos, que é a arte urbana. A cenografia, por exemplo, utiliza espelhos e foi desenvolvida por artistas do Museu do Grafite. Também no cenário e no figurino, destaca-se o padrão artístico de sustentabilidade, no qual a Funarte tem investido por meio da Lei Rouanet. Compõe ainda o cenário material reciclado pelo Coletivo Trouxinha, da UFRJ.

O figurino é todo feito com elementos de sustentabilidade e reaproveitamento de material, e faz uma releitura do acervo do TMRJ, com linguagem moderna, cada vez mais buscando o reaproveitamento. 

O balé Macunaíma preserva as peculiaridades dos tons característicos das obras dos grandes pintores da época da Semana de Arte Moderna. “Quem for assistir, verá o amarelo de Anita Malfati, o azul cobalto de Portinari; o verde de Ismael Nery; o azul claro de John Graz; o laranja de Di Cavalcanti; o rosa de Milton Dacosta; o vermelho de Tarsila do Amaral. Tudo isso estará presente no cenário e vai ser notado, enaltecendo os artistas da Semana de Arte de 1922”, adianta Marcondes.

Floresta Amazônica

O balé tem um ato, quatro quadros e, como cenário inicial, traz a Floresta Amazônica, na região do Rio Uraricoera, terra natal de Macunaíma, onde vivem os índios Tapanhumas. A narrativa também é contada por meio da linguagem audiovisual. Os bailarinos contracenam com imagens e, em muitos momentos, “entram e saem da tela”.

A presidente da Fundação Teatro Municipal, Clara Paulino, destacou o ineditismo do espetáculo, que conta com o apoio da Associação de Amigos do Teatro Municipal e patrocínio da Petrobras. “Macunaíma é um dos pontos altos da nossa temporada artística de 2022 e estamos muito felizes com a expectativa de entregar à população uma obra tão importante para a cultura nacional, feita em formato jamais visto que, com certeza, vai gerar impacto no público presente.”

0 Shares
You May Also Like