Bicentenário da Independência: como o grito do Ipiranga foi retratado

0 Shares
0
0
0
0
0
0

Independência ou Morte, também conhecido como O Grito do Ipiranga, é o quadro que retrata o momento único da ruptura entre Brasil e Portugal. Mas a pintura de Pedro Américo foi feita anos depois da Independência e com muita dose de imaginação para recriar a história brasileira.

O paraibano Pedro Américo já era um pintor consagrado aos 45 anos. Tinha estudado arte na França e vivia na Itália, quando foi escolhido pelo governo brasileiro para pintar o quadro do momento histórico do Grito do Ipiranga. A obra de grandes proporções tem 4 metros de altura por 7 metros de largura e está no Museu Paulista.

No entanto, a pintura foi feita em 1888, 66 anos depois da Independência do Brasil, quando ninguém mais estava vivo para contar como realmente tinha sido o cenário às margens do rio Ipiranga.

Ouça na Radioagência Nacional

Pedro Américo quis fazer do momento histórico de 1822 uma cena gloriosa e solene para Dom Pedro I. E, claramente, buscou inspiração no quadro do pintor francês Jean Louis Ernest Meissonier, que retratava Napoleão Bonaparte na Batalha de Friedland de 1807. A obra francesa foi pintada em 1875; a do brasileiro, foi apresentada na Academia Real de Belas Artes de Florença, na Itália, 13 anos depois. 

Há várias licenças poéticas na obra, inclusive o fato de substituir as mulas por cavalos de raça. Os guardas não estavam usando uma farda tão pomposa. Os Dragões da Independência só adotaram o uniforme da pintura mais de 100 anos depois.

Mesmo assim, o retrato oficial da nossa Independência passou a ser este, como se tivesse sido capturado no momento exato, às margens do Ipiranga, em 7 de setembro de 1822. E pelo trabalho, Pedro Américo ganhou 30 contos de réis do Império brasileiro. Sinal de que sua idealização agradou em cheio o Imperador Dom Pedro II.

0 Shares
You May Also Like