Bicentenário da Independência: o Hino da Independência do Brasil

0 Shares
0
0
0
0
0
0

Dom Pedro, com toda a educação que era imposta a um príncipe, teve aulas de música na corte. Seu tutor foi o maestro Marcos Antônio da Fonseca Portugal, que chegou ao Brasil em 1811, quando o príncipe tinha 13 anos.

Assim, o jovem aprendeu a tocar instrumentos, típicos de sua época. O príncipe não apenas cantava bem, como compunha e tocava vários instrumentos, como piano, flauta, clarinete, violino, baixo, trombone, harpa e violão e ainda era capaz de reger a própria música

Excelente compositor de música patriótica, Dom Pedro compôs o primeiro hino do Brasil, atualmente cantado como Hino da Independência, e também o Hino Constitucional ou Hino da Carta, adotado oficialmente como hino nacional português até a proclamação da República lusa, em 1910.

Ouça na Radioagência Nacional

Antes mesmo da Independência, o jornalista e poeta Evaristo da Veiga já tinha escrito os versos “Já podeis da Pátria filhos, ver contente a mãe gentil, já raiou a liberdade, no horizonte do Brasil”, em agosto de 1822.

Dom Pedro I, em 1824, apaixonou-se pelos versos de Evaristo da Veiga e resolveu compor ele mesmo uma música para o poema, criando assim aquele que se tornaria o Hino da Independência.

“Brava gente brasileira! Longe vá temor servil; Ou ficar a pátria livre; Ou morrer pelo Brasil”

Quando Dom Pedro abdicou do trono em 1831, o hino acabou perdendo sua condição de símbolo nacional e só voltou a ser executado nas comemorações do centenário da Independência, em 1922.

Ainda assim, a participação do imperador foi tão valorizada que, durante quase uma década, não só a música, mas também a letra foi atribuída a ele. Evaristo da Veiga precisou reivindicar os seus direitos, comprovando ser o autor dos versos em 1833.

 

0 Shares
You May Also Like