13 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real
 

...

...

 Consumo de recursos naturais superou o que o mundo pode renovar no ano - Jornal Brasil em Folhas - Mobile
Consumo de recursos naturais superou o que o mundo pode renovar no ano

A população mundial consumiu até hoje (1º) o conjunto dos recursos que a natureza pode produzir em um ano. E, pelo restante do ano, vai consumir além da capacidade de renovação anual. As informações são da Global Footprint Network, uma organização não governamental de pesquisa de recursos naturais e mudanças climáticas.

Em cada ano, desde 1970, este marco é conhecido como o Dia de Sobrecarga da Terra, que representa o momento em que o consumo de recursos naturais supera o volume que o planeta é capaz de renovar.

“Essa data representa justamente o movimento que existe hoje no sentido de utilizar uma produção intensiva de recursos naturais sem retornar e sem aproveitar esses mesmos recursos que já foram extraídos”, avaliou o Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), Carlos Silva Filho. “Se não mudarmos o processo de produção e consumo, em um dado momento, o planeta realmente não vai ter a capacidade de regeneração e uma série de matérias primas vão ficar realmente esgotadas, escassas ao ponto de não poderem mais serem utilizadas”.

Ele acrescentou que o Brasil consome os recursos da natureza em um ritmo mais acelerado que a média mundial. “Se fôssemos considerar somente os padrões de produção e consumo do Brasil, o Dia de Sobrecarga da Terra seria em 19 de julho. O Brasil está no sentido de consumir mais recursos e aproveitar menos os resíduos do que a média mundial. Então esse é um problema que precisa ser encarado de frente”.

No Brasil, 20 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos poderiam ser recuperados por ano com reciclagem, segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o que representa cerca de 25% do total do lixo gerado. O país ocupa o quinto lugar na geração de lixo no mundo e, diante dos baixos índices de reaproveitamento, contribui para o esgotamento dos recursos naturais do planeta, segundo avaliação da entidade.

Para Silva, apesar de o Brasil ter a Política Nacional de Resíduos Sólidos desde 2010, em muitos pontos, ela ainda não saiu do papel. “É preciso, de um lado, a conscientização do cidadão para consumir menos materiais descartáveis e fazer a separação desses resíduos em casa. Nós precisamos que o poder público municipal, que é o titular dos serviços de limpeza urbana, realmente disponibilize os serviços de coleta seletiva, em toda a cidade. E precisamos também que as indústrias, que são partícipes do sistema de logística reversa, façam esse sistema funcionar, para que esses materiais [sejam] reaproveitados pela indústria e que não sejam desperdiçados nesses locais de disposição final”.

A estimativa é que o Brasil perde cerca de R$ 3 bilhões por ano ao não reaproveitar os resíduos sólidos gerados, de acordo com o presidente da entidade. Além disso, o país gasta cerca de R$ 6 bilhões por ano com a descontaminação das áreas de destinação inadequada, nas quais esses resíduos são depositados.

Em relação à geração de renda e emprego, Silva afirma que “grande parte desse movimento de separação de resíduos, triagem e reciclagem é justamente feito por cadeias de cooperativas de catadores”. Ele conclui que “quanto mais a gente privilegiar esse sistema [de reaproveitamento de resíduos sólidos], nós estamos fazendo a inserção social desses trabalhadores e justamente viabilizando um maior retorno para eles, uma maior renda para eles”.

Edição: Sabrina Craide





© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A
CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212

VERSÃO WEB