16 de Oct de 2018 - Jornal em tempo real
 

...

...

 BC eleva projeção de déficit em contas externas para US$ 14,3 bilhões - Jornal Brasil em Folhas - Mobile
BC eleva projeção de déficit em contas externas para US$ 14,3 bilhões

O Banco Central (BC) aumentou a projeção para o saldo negativo das contas externas este ano. O déficit em transações correntes - compras e vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com outras nações - deve fechar em US$ 14,3 bilhões, o que corresponde a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Essas informações foram divulgadas hoje (27) no Relatório de Inflação do Banco Central.

Em junho, o BC previa um déficit menor: US$ 11,5 bilhões, correspondente a 0,6% do PIB. Segundo o BC, a revisão ocorreu “notadamente” em função da expectativa de aumento das importações.

A projeção para o superávit comercial (exportações e importações) ficou em US$ 55,3 bilhões, ante projeção de superávit de US$ 61 bilhões no Relatório de Inflação de junho.

A previsão para o crescimento das exportações é 6,3% e para as importações, 14,7%. O aumento das importações é estimulado por alterações no Repetro, regime especial que suspende os tributos cobrados sobre bens destinados a atividades de exploração de petróleo e gás natural.
Investimentos estrangeiros

Apesar da previsão de déficit maior nas contas externas, o saldo negativo será totalmente financiado pelo investimento direto no país (IDP).

Quando o país registra déficit em transações correntes, precisa cobrir o déficit com investimentos ou empréstimos no exterior.

A melhor forma de financiamento do saldo negativo é o IDP, porque recursos são aplicados no setor produtivo. A expectativa do BC para o IDP este ano subiu de US$ 70 bilhões (3,6% do PIB) para US$ 72 bilhões (3,8% do PIB).

Para 2019, o BC também espera que o déficit em transações correntes seja coberto por IDP. A previsão para o saldo negativo das contas externas é US$ 34,1 bilhões (1,7% do PIB), enquanto o investimento direto deve ficar em US$ 80 bilhões.

Segundo o BC, o déficit nas contas externas será maior em 2019 por conta da aceleração da atividade econômica e de mudanças promovidas pelo Repetro, que aumentam os investimentos estrangeiros.

Edição: Kleber Sampaio





© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A
CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212

VERSÃO WEB