Prefeitura do Rio demoliu 1.313 construções irregulares desde 2021

0 Shares
0
0
0
0
0
0

Balanço divulgado hoje (9) pela prefeitura do Rio em parceria com o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) apontou que 1.313 construções irregulares foram demolidas desde 2021, sendo mais de 70% na zona oeste da cidade.

Segundo o secretário de Ordem Pública, Brenno Carnevale, os prejuízos para o crime organizado chegaram a R$ 646 milhões. De acordo com o balanço, no ano passado, foram feitas 660 demolições. Em 2022, já houve 653 demolições de construções irregulares.

Para o prefeito do Rio, Eduardo Paes, o Poder Público está asfixiando o poder financeiro da indústria imobiliária das milícias. “O importante é que essas pessoas comecem a respeitar e entendam que vão tomar prejuízo. Não vão prosperar aqueles que apostarem numa apatia e imobilidade do Poder Público. Hoje, o imóvel que a Prefeitura e o MP demoliram na Muzema tinha uma avaliação de R$ 14 milhões”, disse Paes.

A Secretaria de Ordem Pública realizou, na manhã de hoje, a demolição de um prédio de seis andares, com 46 apartamentos, erguido ilegalmente na Muzema, na zona oeste. O imóvel na Rua Dália s/nº foi construído em um lote não regular e sem obedecer aos parâmetros determinados para o local, como afastamento, gabarito e taxa de ocupação. A construção, avaliada em R$ 14 milhões, já havia sido notificada e multada previamente.

O prédio estava localizado no interior do loteamento irregular, denominado Condomínio Figueiras do Itanhangá, situado na Estrada de Jacarepaguá, 370. “E ficava a menos de 100 metros de onde, em 2019, houve o desabamento de dois prédios de cinco andares, que culminou com a morte de 24 pessoas. Há menos de um mês, a prefeitura realizou uma outra operação no mesmo condomínio, quando derrubou um prédio de três andares avaliado em mais de R$ 3 milhões”, disse a prefeitura

Segundo o procurador-geral do MPRJ, Luciano Mattos, o acordo de cooperação entre prefeitura e promotoria foi pensado para que houvesse um fluxo de informação mais ágil, em tempo real, o que proporciona atuação imediata tanto na esfera penal quanto administrativa, com os desdobramentos judiciais que forem necessários.

“Estamos agora nos estruturando para que essa troca de informações, como o mapeamento dos locais e o trabalho de inteligência, permita um direcionamento melhor da prefeitura e do MP no combate a essas organizações criminosas”, disse Mattos.

Somente a Seop realizou 1.001 demolições, com prejuízo estimado para o crime organizado de R$ 205 milhões, sendo que 65% delas foram na zona oeste. Além disso, 65% dos imóveis demolidos estavam em área sob domínio da milícia, segundo a prefeitura.

Nas operações da Secretaria de Meio Ambiente, ao lado do MPRJ, em áreas de preservação ambiental, ocorreram 313 demolições, com um total de 275.982 metros quadrados de área demolida, o que gerou um prejuízo estimado para o crime organizado de R$ 441 milhões.

0 Shares
You May Also Like