Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Jucá diz que operação da PF é retaliação de juíza federal à sua família - Jornal Brasil em Folhas
Jucá diz que operação da PF é retaliação de juíza federal à sua família


O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), considerou a Operação Anel de Giges da Polícia Federal (PF), deflagrada na manhã de hoje (28) em Roraima, em que parentes do senador estão entre os investigados, como “retaliação”.

“Recebo essa agressão a mim e a minha família como uma retaliação de uma juíza federal, que, por abuso de autoridade, já responde a processo no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), disse, em nota. O senador ainda afirmou que tornará públicos todos os documentos que demonstrarão a inépcia da operação de hoje”.

O senador qualificou a investigação como “um espalhafatoso capítulo de um desmando que se desenrola nos últimos anos” no país. “Em junho de 2016, foi pedida a prisão de um presidente de um poder, de um ex-presidente da República e de um Senador com base em conjecturas. Em setembro agora, por absoluta inconsistência jurídica, o inquérito foi arquivado. Desproporcional e constrangedor, esse episódio poderia ter sido evitado. Bem como poderia ter sido evitado o de hoje. Bastava às autoridades pedirem os documentos anexados que comprovam que não há nenhum crime cometido”, diz a nota divulgada por Jucá.

O senador destaca que desta vez o alvo foi sua família. “Como pai de família carrego uma justa indignação com os métodos e a falta de razoabilidade. Como senador da República, que respeita o equilíbrio entre os Poderes e o sagrado direito de defesa, me obrigo a, novamente, alertar sobre os excessos e midiatização”.

Jucá disse ainda que ele e nem qualquer membro de sua família temem as investigações conduzidas pela PF e pelo Ministério Público Federal (MPF). “Investigações contra mim já duram mais de 14 anos e não exibiram sequer uma franja de prova. Todos os meus sigilos, bancário, fiscal e contábil já foram quebrados e nenhuma prova. Só conjecturas”.

A Operação Anel de Giges cumpriu, em endereços de Brasília, Boa Vista e Belo Horizonte, 17 mandados judiciais, sendo nove de busca e apreensão e oito de condução coercitiva, quando a pessoa é levada para a delegacia a fim de prestar depoimento e, em seguida, liberada.

Segundo a PF, “durante a investigação, foi identificado o desvio de R$ 32 milhões dos cofres públicos por meio do superfaturamento na compra da Fazenda Recreio – propriedade localizada em Boa Vista – e na construção do empreendimento Vila Jardim, projeto financiado com recursos do programa Minha Casa, Minha Vida na capital de Roraima”.

As investigações apontam também indícios de irregularidades na “fiscalização e aprovação do empreendimento por parte de funcionários da Caixa Econômica Federal”. Estão sendo apurados suspeitas de crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa envolvendo compra a Fazenda Recreio para a construção de imóveis.

A Caixa Econômica Federal, também por meio de nota, disse que as informações sobre o caso “estão sendo repassadas exclusivamente às autoridades competentes” e esclarece que “mantém contato permanente com as autoridades competentes, prestando irrestrita colaboração com as investigações e operações policiais”.

Anel de Giges, nome da operação, segundo a PF, é uma referência à citação em um dos livros da obra A República, de Platão, em que o tema justiça é tratado. “O Anel de Giges permite ao seu portador que fique invisível e cometa ilícitos sem consequências”, de acordo com a PF.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212