Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Corpo de Dona Ivone Lara é sepultado ao som de seus grandes sucessos - Jornal Brasil em Folhas
Corpo de Dona Ivone Lara é sepultado ao som de seus grandes sucessos


Quem esperava um clima de tristeza, se surpreendeu no enterro da sambista e compositora Dona Ivone Lara. Em vez de choros e lamentos, o corpo da artista foi sepultado ao som de seus grandes sucessos, cantados pelo público, entre parentes, artistas e fãs, que foram ao Cemitério de Inhaúma, nesta terça-feira (17), se despedir da grande dama do samba, que morreu ontem aos 97 anos.

A classe artística foi representada, entre outros, por Martinho da Vila, que conheceu e conviveu de perto com Dona Ivone. “Vai ser difícil, porque a gente teve uma convivência muito grande. Fiz muito show com ela, pelo Brasil e pelo mundo. Mas não é uma morte triste, porque não foi sofrida. Ela foi uma pessoa bem vivida, então este enterro, no duro, é uma celebração”, disse Martinho.

Fãs fizeram questão de estar próximos, nos últimos momentos. Levando flores em sua homenagem ou trazendo nas mãos discos da cantora, todos lamentaram a morte de Dona Ivone. “Sou fã dela desde 1984, quando eu tinha 11 anos de idade. Com o passar do tempo, comecei a comprar os discos dela e cheguei a ir em três shows. Ela tinha um samba melódico que transmitia a paz”, disse o professor de história Dorival Alves.

A irmã de Dona Ivone acompanhou o sepultamento e lembrou como ela era em casa. “Ela gostava de brincar e cantar. Vou sentir falta. Vou ficar triste. De parente, era só eu e ela”, lamentou Elza da Silva Gusmão, de 93 anos de idade.

O jornalista especializado em samba Marcelo Faria, do portal Sambrasil, resumiu o que, para ele, foi a carreira da artista: “Dona Ivone, com quase um século de vida, atravessou o século do samba. O legado que ela deixa é a obra que fica. Ela era uma cronista do dia a dia, da vivência do subúrbio. Foi pioneira como compositora e um marco para todos nós”.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212